Israel deve iniciar retirada de Belém

Israel deve iniciar a retirada das cidades da Cisjordânia, começando por Belém, disseram hoje ministros do gabinete israelense. A retirada sinalizará o fim da incursão de uma semana nos territórios palestinos que resultou na morte de 30 pessoas e desagradou profundamente o governo norte-americano. Enquanto isso, na Faixa de Gaza, forças israelenses mataram três palestinos armados que tentava invadir um assentamento de judeus esta manhã, de acordo com militares. O grupo militante Hamas se responsabilizou pela tentativa dos palestinos. Soldados israelenses também mataram um árabe que se aproximou da barreira entre Israel e Gaza. Segundo fontes militares, ele teria ignorado ordens de parar o trator que dirigia em direção à barreira e, por isso, os soldados atiraram. As mesmas fontes afirmam que um palestino esperava por ele do outro lado e conseguiu fugir. Depois de uma reunião de quatro horas entre os principais ministros israelenses e o primeiro-ministro Ariel Sharon, que está sob constante pressão dos Estados Unidos, foi decidida a retirada das tropas das áreas sob controle palestino. De acordo com comunicado israelense, a retirada ?tornará possível a implementação dos compromissos assumidos pela Autoridade palestina?. Oficiais das seguranças palestina e israelense se reunião hoje para definir os detalhes da retirada. Na reunião, Israel deve propor a saída de Belém e de Beit Jalla, disse o ministro do Exterior, Shimon Peres, "desde que os palestinos garantam um cessar-fogo e condições de segurança?. Peres disse ainda que, quando Israel perceber que o acordo entre as duas partes foi bem sucedido, poderá se retirar de outras áreas. Peres fez as declarações depois de se encontrar com o ministro do Exterior alemão, Joshka Fischer. O ministro israelense da Ciência, Matan Vilnai, disse à rádio Israel que acredita ?que em poucos dias tudo estará acabado?. O ministro das Finanças, Silvan Shalom, disse que Belém é um caso especial porque chama a atenção da comunidade internacional por ser a cidade do nascimento de Jesus. Ele afirmou que como parte do acordo, o líder palestino Yasser Arafat deverá ordenar a prisão dos militantes responsáveis pela morte do ministro do Turismo. Shalon também disse que um dos fatores que levaram à decisão da retirada foram as solicitações dos Estados Unidos e do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Tiros foram trocados durante a noite em Belém. No fim da noite de ontem um policial palestino foi morto num campo de refugiados nas proximidades da cidade. Foi a quarta morte registrada na área ontem, segundo fontes palestinas. Militares israelenses disseram apenas que houve troca de tiros, mas que não podiam confirmar as mortes. No confronto com as forças israelenses, 37 palestinos morreram. Em pouco mais de um ano de violência, 726 pessoas foram assassinadas do lado palestino e 186 do lado israelense.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.