Israel divulga vídeo de supostas 'crianças do Hamas'

Diante das críticas ao ataque à Faixa de Gaza, que resultou na morte de mais de 700 palestinos em 13 dias, Israel intensificou esta semana uma campanha na mídia internacional para justificar sua estratégia no conflito. Nos últimos dois dias, a embaixada israelense em Brasília divulgou oito vídeos à imprensa por orientação do Exército de Israel. Alguns deles, como o "Crianças do Hamas", deram margem a conclusões negativas sobre Israel - que a própria diplomacia de Tel-Aviv apressou-se a dissipar.O vídeo, um dos oito apresentados pela representação diplomática, mostra uma sequência de imagens de uma sala de aula, com crianças supostamente sendo treinadas para ações militares pelo Hamas, e fotografias de garotos vestidos como homens-bomba. Com uniforme militar, um menino afirma que pretende se tornar mártir. Seu objetivo seria "matar os judeus" porque são "animais". A entrevista teria sido concedida a uma rede de televisão palestina, conforme informou o vídeo.O conselheiro Rafael Singer, da embaixada de Israel, sustentou que a divulgação desse vídeo teve o objetivo de alertar para a maneira como o Hamas se vale de crianças para atingir seus objetivos. Outros três vídeos divulgados pela embaixada israelense mostram cenas que, do ponto de vista de Israel, comprovariam a mobilização de civis, especialmente de crianças, para a defesa de supostos arsenais do Hamas em prédios públicos e residências. Mídia - Os israelenses se sentem injustiçados com a imprensa internacional. Consideram que a cobertura tem tido um viés pró-Hamas, sem se importar com a situação das cidades fronteiriças de Israel. Nas rádios e TVs israelenses, os disparos de foguetes palestinos contra cidades, como Sderot e Ashkelon, ganham muito mais destaque do que as mortes em Gaza. Em jornais locais, como o Jerusalém Post, com a exceção do ataque à escola da ONU, as baixas palestinas são colocadas em páginas internas. O jornal Yediot Ahronot chegou a chamar a imprensa internacional de "mentirosa" em reportagem de capa. Já as autoridades israelenses, ao acompanhar as notícias de órgãos internacionais em TVs a cabo e na internet, reclamam do pouco espaço que concedem para Israel. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.