Israel diz que acordo de paz com o Egito continua em pé

Governo egípcio declara estado de alerta após invasão de embaixada israelense por manifestantes.

BBC Brasil, BBC

10 Setembro 2011 | 17h39

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu disse neste sábado que o acordo de paz firmado entre seu país e o Egito, há três décadas, continua em pé, apesar da invasão da embaixada israelense no Cairo.

"Israel vai continuar atado ao acordo de paz com o Egito", disse Netanyahu, em um discurso transmitido pela TV.

Nesta sexta-feira, manifestantes egípcios invadiram o prédio, queimaram documentos e forçaram a evacuação do edifício. O embaixador e outros diplomatas israelenses tiveram de deixar o Egito por questões de segurança.

O primeiro-ministro israelense disse que está trabalhando com as autoridades do Egito pelo retorno de seu embaixador ao Cairo.

O enfrentamento entre manifestantes e a polícia deixou três mortos e mais de mil feridos e fez o governo interino do Egito declarar estado de alerta.

Os protestos explodiram após a morte de cinco militares egípcios durante uma perseguição a militantes palestinos, por parte das forças de segurança de Israel.

A retaliação de Israel ocorreu na fronteira entre a Faixa de Gaza e o Egito após os militantes palestinos atacarem um ônibus e matarem oito civis israelenses.

Os protestos preocupam Israel, que teme a quebra do acordo de paz, firmado em 1979 entre os dois países, pelo governo interino egípcio. O grande fiador do acordo era o ex-presidente egípcio Hosni Mubarak, afastado do cargo em fevereiro.

Alerta

O Egito declarou estado de alerta e o governo interino convocou uma reunião de emergência do gabinete militar após os ataques à embaixada.

A imprensa relatou que o premiê egípcio, Essam Sharaf, ofereceu sua renúncia após o episódio de sexta, mas o pedido foi negado pelo líder militar do país, Hussein Tantawi.

O governo militar interino disse neste sábado que os manifestantes envolvidos no ataque à embaixada israelense, na véspera, serão julgados em cortes emergenciais.

O Egito prometeu proteção às embaixadas no país.

Uma autoridade sênior de Israel disse à BBC que o ataque à representação diplomática no Egito foi uma séria ameaça às relações entre os dois países - um dos pontos de equilíbrio para a paz no Oriente Médio.

Observadores dizem que o incidente marca um agudo escalonamento nas tensões bilaterais e testa os 30 anos do tratado de paz entre Israel e Egito.

Pneus queimados

Ao longo da madrugada e manhã deste sábado, centenas de manifestantes se mantiveram nos arredores da embaixada no Cairo, queimando pneus pelas ruas e cantando slogans de crítica aos militares no poder no Egito.

Seis funcionários da representação diplomática ficaram presos no prédio durante os protestos e precisaram ser resgatados por forças de seguranças egípcias, disse uma autoridade israelense à BBC. A mesma autoridade diz que os protestos estão sendo vistos em Jerusalém como uma "grave violação" das relações diplomáticas.

O Egito é um dos dois países árabes - junto com a Jordânia - a ter estabelecido a paz com Israel. Mas crescem as demonstrações de sentimento anti-israelense entre os civis egípcios. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.