Israel diz que Al-Qaeda está espalhada pelo mundo

A rede Al-Qaeda opera em todo o mundo, geralmente em cooperação com grupos radicais locais, e continuará a atacar mesmo se Osama bin Laden for morto, disse hoje um alto funcionário do serviço secreto israelense, fornecendo um vislumbre da complexa estrutura do terrorismo internacional. A Europa é um provável alvo para um futuro ataque da Al-Qaeda, pois é fácil para os terroristas transitarem entre os países da região, disse o funcionário, explicando como Israel acha que a Al-Qaeda atua. Mesmo quando os EUA tiverem completado sua campanha antiterror no Afeganistão, a guerra contra a Al-Qaeda não estará encerrada, acrescentou o funcionário. Grupos radicais islâmicos em todo o mundo foram encorajados pelos ataques de 11 de setembro nos EUA e esperam - com a ajuda da Al-Qaeda - levar adiante mais ataques mortíferos, mesmo se os EUA conseguirem eliminar Bin Laden. "É muito importante matar esse homem (Bin Laden)", mas ele não influencia necessariamente toda organização o tempo todo, declarou o funcionário. "Há pessoas que querem duplicar os ataques de 11 de setembro. O espírito de Bin Laden permanecerá sempre." Os EUA não conseguiram encontrar Bin Laden durante sua campanha no Afeganistão. Funcionários afegãos dizem que provavelmente ele está escondido nas montanhas do Paquistão. Um perito israelense em terrorismo islâmico, Uri Kupferschimidt, concorda que organizações radiciais em todo o mundo têm identificação com a Al-Qaeda e buscam aproximar-se do grupo, oferecendo-se para cometer ataques em suas regiões. Israel aumentou a segurança em suas instalações em outros países por causa do temor de que grupos terroristas ligados à Al-Qaeda possam atacar seus cidadãos. Segundo um funcionário israelense, Europa e Ásia são consideradas as zonas mais arriscadas. Tailândia e Filipinas são países que preocupam Israel, pois são dois lugares que atraem turistas israelenses.

Agencia Estado,

09 Dezembro 2002 | 19h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.