Israel diz que desta vez responderá a ataque do Iraque

Israel responderá se o Iraque atacar o Estado judeu durante uma operação militar americana, disse nesta quinta-feira um assessor do primeiro-ministro Ariel Sharon. A declaração foi feita pelo assessor Dore Gold depois de o comandante da Força Aérea, tenente-general Dan Halutz, dizer na quarta-feira que Israel responderia a um ataque. "Israel tem a capacidade e talvez inclusive a liberdade de ação para fazer o necessário em defesa de sua população no caso de o Iraque decidir estender sua guerra contra a comunidade internacional a Israel", disse Gold à Associated Press. Em comentários transmitidos ontem pela televisão, Halutz havia indicado que ninguém em Israel sabe quando o presidente americano, George W. Bush, ordenará a ofensiva com a qual ameaçou o regime de Saddam Hussein, mas disse que ela poderá ocorrer entre o fim deste ano e meados de 2003. Em 1991, o Iraque disparou 39 mísseis Scud con ojivas convencionais contra cidades israelenses, causando muitos danos mas poucas mortes. Os EUA pediram a Israel que não respondesse aos ataques alegando que isso fraturaria a coalizão militar de que participavam vários países árabes. Desta vez, Israel não está limitado, porque não há uma coalizão semelhante, disse Gold. As nações árabes que apoiaram os EUA em 1991 se opõem atualmente a qualquer ataque americano contra o Iraque. O ministro da Defesa israelense, Binyamin Ben-Eliezer, já declarou em várias ocasiões que Israel devolveria qualquer ataque. Halutz não disse como Israel responderia, mas funcionários israelenses sugeriram que, diante de um ataque convencional, seriam lançados bombardeios e ataques terrestres de forças aerotransportadas. Em caso de o Iraque atacar com armas químicas ou biológicas, disse nesta quinta-feira um importante jornalista israelense, Israel poderia responder com um ataque nuclear, e o Iraque deixaria de existir como Estado.

Agencia Estado,

15 Agosto 2002 | 16h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.