Israel diz que vai usar toda a força necessária no Líbano

O chefe do Estado-Maior de Israel, Dan Halutz, revelou nesta quinta-feira (13) que o país pretende mudar a formação de suas tropas na fronteira com o Líbano e que usará todos os meios necessários para conseguir libertar os dois soldados que foram seqüestrados por integrantes do grupo radical libanês Hezbollah.Halutz explicou que o governo do Líbano deve assumir a sua responsabilidade nos ataques do Hezbollah, que culminaram com o seqüestro de dois soldados israelenses, além da morte de outros oito. "Usaremos todos os nosso recursos militares e não economizaremos esforços. Antes de mais nada, desejamos fazer com que o governo libanês se responsabilize pelo seu território".Sobre as ações de Israel - em resposta aos ataques do Hezbollah -, Halutz contou que "a Força Aérea é a responsável por todas as ações" e que os soldados possuem a ordem de atacar "todo tipo de alvo". O general contou que "os israelenses não podem aceitar um ataque ao seu território vindo de um Estado soberano, que possui um exército e seu governo, como o Líbano".Halutz também explicou que os ataques ao aeroporto de Beirute serviram para mostrar ao governo libanês que "nenhum lugar está seguro se os ataques a Israel continuarem". O general ainda fez uma comparação entre o Líbano e a Faixa de Gaza. "Ambos utilizam a mesma técnica. Hamas e o Hezbollah buscam seqüestrar nossos soldados para exigir alguma coisa em troca do resgate", explicou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.