Israel e EUA fazem exercícios militares conjuntos

Três dias depois de os EUA e aGrã-Bretanha bombardearem alvos na periferia de Bagdá, tropasisraelenses e americanas iniciaram hoje exercíciosmilitares conjuntos cujo principal objetivo é testar mísseisPatriot, simulando um contra-ataque aos iraquianos. Os Patriots foram enviados por Washington a Israel durante aGuerra do Golfo, em 1991, para interceptar mísseis Scudiraquianos, lançados contra o país em retaliação pelosbombardeios dos aliados no Iraque. Eles não conseguiram impedirque a maioria dos 39 Scuds lançados pelo Iraque atingissemIsrael. Muitos deles atingiram áreas em Tel-Aviv e redondezas. As manobras estão sendo realizadas no Deserto do Neguev, nosul de Israel, e se estenderão até sexta-feira. O navio daMarinha americana USS Porter, embarcação com avançado sistema deradar, está nas costas israelenses e tomará parte nosexercícios. As Forças Armadas israelenses insistiram que os exercíciosmilitares haviam sido planejados com muita antecedência e nãoestão relacionados com os recentes ataques anglo-americanoscontra instalações militares iraquianas perto de Bagdá. "O exercício estava sendo planejado há mais de um ano e sãoparte do treinamento rotineiro conjunto israelense-americano,cujo objetivo é confirmar a capacidade de interação dos sistemasde defesa aérea", informou o Exército em um comunicado. De qualquer modo, o governo israelense considera não haverperigo imediato de um ataque iraquiano, mas informou que estálevando a sério as ameaças do presidente iraquiano, SaddamHussein, de realizar retaliações em resposta aos bombardeios. Emvários países árabes estão ocorrendo protestos de apoio aoIraque, nas quais os manifestantes pedem retaliação. O primeiro-ministro de Israel, Ehud Barak, manteve uma reuniãono domingo com altos oficiais da área de segurança para avaliaros desdobramentos dos ataques ao Iraque. Seus assessoresdisseram que o país vai manter-se atento, embora não haja porenquanto necessidade de tomar nenhuma medida especial. Entre a população israelense, porém, o medo de que o paísvolte a ser atacado pelo Iraque fez com que aumentassesignificativamente o número de pessoas em busca de máscarasantigás. Durante a Guerra do Golfo, havia o temor de que Saddamutilizasse armas químicas e biológicas contra Israel, o quelevou o governo a entregar o equipamento para a população. Aindahoje, todo morador de Israel recebe, ainda criança, máscarasantigás.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.