Israel e extremistas palestinos trocam disparos na região da fronteira

Tensões se elevam na Faixa de Gaza após ataque de militantes no sul do território israelense

estadão.com.br

19 de agosto de 2011 | 14h38

Fumaça é vista saindo de uma instalação do Hamas após ataque de Israel

 

JERUSALÉM - Um dia depois do ataque coordenado de militantes que matou oito pessoas em Israel, as Forças de Defesa do Estado judeu e extremistas palestinos voltaram a trocar disparos nesta sexta-feira, 19. Os israelenses realizaram diversos ataques aéreos na Faixa de Gaza, enquanto os palestinos lançaram 20 foguetes em resposta.

 

Veja também:

linkEgito protesta contra morte de guardas

video VÍDEO: 'Sinai virou terra de ninguém'

lista Ataques mostram que controle egípcio diminuiu no Sinai

 

A maioria dos projéteis disparados pelos palestinos caiu em áreas despovoadas, mas um deles acertou um prédio em um distrito industrial e Ashdod e feriu seis pessoas, uma delas seriamente. Já os bombardeios de Israel, que começaram ainda na quinta-feira, mataram ao menos oito pessoas até agora. Segundo testemunhas, a última vítima - um militante dos Comitês Populares de Resistência - foi feita na tarde desta sexta.

 

O ataque da quinta-feira elevou novamente as tensões entre Israel e extremistas da Faixa de Gaza. As autoridades israelenses acusaram o Hamas e os Comitês pelos incidentes, mas ambas as facções negaram participação. O caso envolve também o Egito, já que os invasores teriam entrado no território do Estado judeu pelo Sinai e porque dois guardas egípcios da região da fronteira também morreram em ataques de aviões israelenses

 

O Exército de Israel acionou seu sistema de defesa antimísseis, conhecido como Cúpula de Ferro, e interceptou alguns projéteis. A maioria dos foguetes disparados pelos insurgentes tinham como alvo comunidades no sul israelense.

 

De acordo com um porta-voz militar de Israel, a Força Aérea atacou complexos de produção de armas no centro da Faixa de Gaza e outros dois lugares no sul e no norte do território palestino. "As Forças de Defesa não vão tolerar qualquer violência contra civis ou soldados e vai continuar a operar resolutamente contra quem ameaçar o Estado de Israel", dizia um comunicado do Exército.

 

As autoridades israelenses prometeram uma política de tolerância zero contra os extremistas que tentarem atacar e também criticaram o Egito por "perder o controle da segurança" na região do Sinai.

 

Com agências internacionais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.