Ariel Schalit / AP
Ariel Schalit / AP

Israel e Hezbollah trocam mensagens de não agressão

Por meio de canais nas Nações Unidas, o país e o grupo xiita dizem que incidente está resolvido e não há mais ações planejadas

O Estado de S. Paulo

29 de janeiro de 2015 | 15h53

O ministro da Defesa de Israel disse nesta quinta-feira, 29, que seu país recebeu mensagem por meio das Nações Unidas de que o Hezbollah não planeja mais ações após ataque na quarta-feira que matou dois soldados israelenses e feriu sete.

O ataque, em resposta ao bombardeio do dia 18 por Israel sobre um comboio no território sírio que matou seis combatentes do Hezbollah e um general iraniano, instilou a maior tensão entre os dois inimigos desde uma batalha de 33 dias em 2006.


Analistas dizem que nenhum dos dois lados estava interessado em outro confronto dessa natureza, mas após anos de calma frágil, as trocas de agressões periódicas podem escalar facilmente.

"Nós recebemos uma mensagem", disse o ministro da Defesa, Moshe Yalom, em entrevista à Rádio do Exército. "De que, do ponto de vista deles, o incidente está resolvido, mas claro que estamos preparados para todo o tipo de desenvolvimento."

No Líbano, o primeiro-ministro Tamman Salam recebeu garantias de Israel, por meio de uma autoridade da ONU, de que não havia planejamento de novos ataques. Salam recebeu informações de que não haveria novas agressões de Israel, disse um funcionário de sua equipe, falando em condição de anonimato. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.