Israel eleva cláusula de barreira; oposição boicota

O Parlamento de Israel aprovou nesta terça-feira uma polêmica lei eleitoral que eleva o porcentual de votos necessários para que um partido possa ser representado na casa legislativa. A votação foi boicotada pela oposição ao governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, algo raro no Parlamento israelense.

AE, Agência Estado

11 de março de 2014 | 16h57

Os defensores da elevação da cláusula de barreira a consideram necessária em nome da governabilidade. Os setores contrários consideram a medida antidemocrática e projetada especificamente para dificultar a eleição de políticos árabes israelenses.

O projeto de lei foi aprovado com 67 votos a favor e nenhum contra no Parlamento de 120 cadeiras. A bancada de oposição retirou-se da votação.

O texto eleva de 2% para 3,25% o número de votos necessários para que um partido eleja uma bancada. Israel possui um sistema de representação proporcional. Os eleitores votam em listas apresentadas pelos partidos, e não em um político específico.

Pela nova lei, calcula-se que um partido precisará ganhar pelo menos quatro cadeiras para superar a cláusula de barreira.

Isaac Herzog, líder da oposição, qualificou a nova lei como "um passo em direção à ditadura".

"E assim nossa democracia se despedaça diante de nossos olhos", prosseguiu. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Israelpolítica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.