Israel empregou força "desproporcional" contra o Líbano, diz UE

A União Européia reiterou neste sábado que Israel empregou uma força "desproporcional" contra o Líbano, embora reconheça que o país deve responder pelo uso de seu território pelo Hezbollah e pediu contenção para evitar "uma maior escalada" da violência."Entendemos o direito de Israel a se defender, e que houve provocações contra Israel, mas achamos que o uso da força por Israel foi desproporcional", afirmou o presidente da Comissão Européia, José Manuel Durão Barroso.Durante uma entrevista coletiva após chegar a São Petersburgo para a cúpula do G8, que começa na noite deste sábado, Barroso pediu "contenção" a todas as partes no atual "momento difícil" pelo qual atravessa a região."Estamos extremamente preocupados", afirmou o presidente rotativo da UE, o primeiro-ministro finlandês, Matti Vanhanen.O primeiro-ministro finlandês pediu que todos mostrem comedimento "para evitar uma maior escalada" da violência e que o Hezbollah liberte os dois soldados israelenses capturados.Além disso, Vanhanen pediu que a situação no Líbano não deixe no esquecimento a "penúria humanitária" que atinge milhares de palestinos em Gaza, onde Israel também empregou uma força "desproporcional" na operação de busca de outro soldado capturado, cuja libertação também exigiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.