Israel enfrentará conseqüências se atacar o Irã, diz Londres

Israel enfrentará conseqüências de "grande escala" caso decida empreender uma ação militar contra o Irã para deter o programa nuclear do país, advertiu nesta segunda-feira, 12, o Real Instituto de Relações Internacionais de Londres.O instituto, mais conhecido como Chatham House, afirma queataques aéreos israelenses contra o Irã seriam de "extremo risco".Segundo a Chatham House, o Irã poderia responder com o lançamento de mísseis balísticos contra cidades como Tel Aviv e Haifa, com consideráveis perdas de vidas.O documento, redigido pelo especialista em Oriente Médio Yossi Mekelberg, também indica que Israel poderia enfrentar uma ampla condenação internacional e um maior isolamento na região."Uma operação militar contra o Irã poderia prejudicar osinteresses de Israel a longo prazo. Iria em detrimento da segurança geral de Israel e as conseqüências políticas e econômicas seriam de grande alcance", ressalta o texto.Programa nuclearO relatório especifica que no Estado judeu prefere-se uma solução diplomática para lidar com a crise envolvendo o programa nuclear iraniano.No entanto, frente à opinião do presidente iraniano, MahmoudAhmadinejad, de que Israel deveria ser riscado do mapa, o instituto diz que os israelenses se sentiriam inclinados a atuar se acharem que Teerã está perto de desenvolver uma bomba nuclear."Os israelenses que tomam decisões enfrentam uma mistura de ódio extremo expressado pela liderança iraniana, um pedido para a retirada do Estado judeu e o desenvolvimento de uma capacidade militar que poderia possivelmente causar um sério golpe a Israel", acrescenta o texto."Um perigo ainda maior para Israel e outros países ocidentaisseria a transferência de conhecimento e tecnologia por elementos hostis do regime iraniano para grupos terroristas", continua o estudo.A Chatham House adverte que, além de lançar mísseis contraIsrael, os iranianos poderiam responder com ataques contra alvos americanos na região ou com o apoio a atentados terroristas contra interesses israelenses no mundo todo.Os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China - e a Alemanha, que detém a presidência rotativa da União Européia, discutem a elaboração de uma resolução que obrigue o Irã a abandonar o enriquecimento de urânio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.