REUTERS/Jonathan Ernst
REUTERS/Jonathan Ernst

Israel está decepcionado com decisão de Trump sobre embaixada

Segundo o premiê Netanyahu, a embaixada americana, assim como as de outros países, deveriam estar em Jerusalém

O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2017 | 16h55

JERUSALÉM - O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, assegurou que seu país "está decepcionado" com a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinada nesta quinta-feira em Washington, de não mudar por enquanto a embaixada americana de Tel-Aviv para Jerusalém, apesar ter prometido isso durante sua campanha eleitoral.

"A posição consistente de Israel é que a embaixada americana, como as embaixadas de todos os países com os quais temos relações diplomáticas, deve estar em Jerusalém, nossa capital eterna", defendeu o premiê em comunicado divulgado nesta quinta-feira.

Não há nenhum país que tenha sua delegação em Jerusalém, que tampouco é reconhecida como capital israelense pela comunidade internacional, que rejeita a ocupação da parte palestina da cidade (que em breve completará 60 anos) e a sua posterior anexação em 1980.

Na opinião de Netanyahu, o fato de que as embaixadas estejam fora de Jerusalém "afasta a paz ajudando a manter viva a fantasia palestina de que o povo judeu e o Estado judeu não têm conexão com Jerusalém".

No entanto, e apesar da decepção, o premiê israelense assegurou que aprecia "as expressões de amizade de Trump com Israel e o seu compromisso de mudar a embaixada no futuro".

Netanyahu avaliou assim a assinatura por parte de Trump da prorrogação por seis meses da lei pela qual Tel-Aviv continua sendo sede da embaixada, mantendo a posição de seus antecessores no cargo.

A transferência foi uma das promessas de mais destaque na campanha do presidente americano, rejeitada plenamente pelos palestinos ao entender que representaria uma aceitação da ocupação israelense sobre a parte leste da cidade, território ocupado que exigem como capital do seu futuro Estado.

"Ninguém deveria considerar este passo em nenhum modo como uma retirada do forte apoio do presidente a Israel (...). Como se insiste de maneira repetida sobre a transferência da embaixada, a questão não é se esse passo vai ocorrer, senão quando", informou a Casa Branca em comunicado.

Os palestinos deram as boas-vindas ao gesto da Casa Branca. "Está em linha com a política mantida pelos EUA e o consenso internacional e dá uma oportunidade à paz", comemorou Husam Zomlot, embaixador palestino nos EUA, em comunicado divulgado pela Organização para a Libertação da Palestina.

"Estamos preparados para começar o processo de consultas com o governo americano. Somos sérios e sinceros sobre a obtenção de uma paz justa e duradoura", acrescentou a nota. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.