Israel está em estado de alerta na fronteira com a Síria

O Exército de Israel se encontra em estado de alerta na fronteira com a Síria devido à concentração de tropas e armas, e após as ameaças do presidente sírio, Bashar al-Assad, de recorrer à força para recuperar as Colinas do Golã, que Israel ocupa desde 1967, informa nesta sexta-feira o jornal israelense Maariv. O Tzahal (Exército de Defesa de Israel) também reforçou suas tropas no Golã há duas semanas, durante os confrontos com a milícia do Hezbollah no Líbano, prevenindo-se contra uma intervenção da Síria no conflito, acrescenta o jornal. Assad afirmou esta semana em Damasco que, se Israel não devolver o território ocupado, de cerca de 1.100 quilômetros quadrados, seu país recorreria à força. Segundo o jornal, as autoridades militares se preocupam com aconcentração de aviões de combate, baterias antiaéreas e de artilharia contra o Golã. Israel conquistou o território, a cerca de50 quilômetros de Damasco, na guerra de 1967. Por enquanto, disseram chefes militares, o Tzahal observa de perto os movimentos do Exército sírio, mas ainda não aumentou o número de homens postados na fronteira desde o início da guerra nãodeclarada no Líbano, em 12 de julho. Segundo analistas militares israelenses, Assad se sente encorajado para iniciar uma possível campanha militar. Na sua opinião, o Hezbollah, que com seus foguetes conseguiu paralisar o norte de Israel, foi muito bem-sucedido em suas operações. A Síria conta com mísseis terra-terra capazes de atingir alvos vitais no território de Israel. Fontes militares israelenses acreditam que Assad, sem recorrer a uma campanha militar, pode promover ataques de comandos nos 33 assentamentos israelenses estabelecidos nas Colinas do Golã. O local vive uma calma que já dura 33 anos, custodiada por observadores da ONU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.