Israel estuda anexar colônias na Cisjordânia

Medida é resposta do Estado judeu caso palestinos busquem reconhecimento de seu Estado

Agência Estado

29 de março de 2011 | 19h17

JERUSALÉM - O governo de Israel considera anexar a maior parte dos assentamentos judaicos na Cisjordânia se os palestinos buscarem, de forma unilateral, o reconhecimento mundial de seu Estado, revelou um funcionário israelense nesta terça-feira, 29. A medida pode representar um grave golpe nas expectativas de negociação de paz entre os dois lados.

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

Israel tem evitado tomar a medida, diplomaticamente explosiva, há quatro décadas. O fato de estar estudando a possibilidade reflete a seriedade da preocupação em relação à campanha palestina para conquistar o reconhecimento internacional de um Estado, na falta de um processo de paz.

 

O ministro do Interior israelense disse que vai decidir, no mês que vem, se dará a aprovação final para a construção de 1.500 apartamentos em dois enclaves judaicos em Jerusalém Oriental. Israel tomou a parte leste da cidade seagrada e a Cisjordânia em 1967 e anexaram a área do município, que abriga templos sagrados para o judaísmo, o islamismo e o cristianismo. O Estado judeu, porém, tem cuidadosamente evitado anexar a Cisjordânia, onde 300 mil colonos judeus vivem entre 2,5 milhões de palestinos.

 

Embora se espere que, sob um acordo de paz, Israel manteria a maioria dos assentamentos construídos nos últimos 44 anos, qualquer decisão de anexar formalmente a Cisjordânia poderia ser uma medida que aumentaria o já considerável isolamento internacional de Israel. Os palestinos querem toda a Cisjordânia e Jerusalém Oriental, além da Faixa de Gaza, para seu futuro Estado.

 

O funcionário do governo que falou sobre a possível anexação disse não saber com que nível de seriedade as autoridades consideram a opção. Ele disse que "adotar medidas unilaterais não é uma via de mão única" e que outras opções também estão sendo consideradas. Essas medidas incluiriam a limitação do fornecimento de água e a restrição do uso, pelos palestinos, de portos israelenses para propósitos comerciais, disse ele. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.