Israel explora possibilidade de negociar com a Síria

A ministra de Assuntos Exteriores de Israel, Tzipi Livni, com o aparente respaldo do ministro da Defesa, Amir Peretz, e em desacordo com o chefe do Governo, Ehud Olmert, resolveu explorar a possibilidade de voltar a negociar com a Síria.Segundo informação publicada neste domingo pelo jornal "Ha´aretz", Livni designou o diretor de um plano para o possível reatamento das negociações, que começaram após a Conferência de Madri, em 1991, e foram suspensas no ano 2000 depois de um longo período de estagnação.O diretor do "projeto" será Yacov Dayan, ex-chefe do escritório diplomático do Ministério de Assuntos Exteriores, que se reuniu nesta semana com Itamar Rabinovich, ex-dirigente das negociações de paz com a Síria durante o Governo do ex-primeiro-ministro israelense Yitzhak Rabin, em meados da década de 90.Além disso, o jornal israelense indica que Dayan deve se reunir em breve com Uri Sagui, que desempenhou as mesmas funções no final dessa década, durante o Governo do ex-primeiro-ministro Ehud Barak, o último dirigente israelense a realizar contatos com o ex-presidente sírio Hafez al-Assad.O interesse de Livni e de Peretz aparentemente acontece por causa do temor de um fortalecimento das relações entre Síria e Irã, além do apoio dado à milícia fundamentalista Hezbollah no Líbano.Pouco antes da entrada em vigor no último dia 14 do cessar-fogo com a milícia, Peretz manifestou publicamente seu interesse em "criar condições" para retomar as conversas com a Síria.Segundo o "Ha´aretz", o primeiro-ministro Olmert discorda de Livni e Peretz, e se opõe ao desvio do boicote imposto pelo Governo dos Estados Unidos à Síria, um dos países do "eixo do mal" ao lado de Irã e Coréia do Norte, de acordo com o presidente George W.Bush.O ministro da Defesa de Israel e líder do Partido Trabalhista acredita que o presidente Assad é um fator importante para prevenir um reatamento da guerra com o Hezbollah, que é abastecido de armas pelo Irã através do território da Síria.O assessor de imprensa de Livni, Ido Aharoni, confirmou a designação de Dayan, mas esclareceu que isso não significa que a chefe da diplomacia israelense seja a favor do reatamento do diálogo com o Governo sírio de Bashar Asad.O presidente sírio propôs em diversas ocasiões, desde que assumiu suas funções em Damasco, retomar as conversas de paz com Israel, se o Estado judeu se comprometesse de antemão a retirar-se das Colinas do Golã, um território de 1.100 quilômetros quadrados conquistado na guerra de 1967.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.