Israel faz incursão no Líbano para resgatar soldados seqüestrados

Uma unidade terrestre do exército de Israel entrou em território libanês na busca dos soldados israelenses capturados nesta quarta-feira pelo grupo libanês Hezbollah, enquanto outras unidades retomaram sua ofensiva terrestre em Gaza e dividiram a faixa palestina em dois.O primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, que responsabilizou o governo do Líbano pela ação do Hezbollah, esclareceu que "os fatos desta manhã não se definem como um ataque terrorista, mas como ato de um Estado soberano que atacou Israel sem razão e sem ter havido provocação".Olmert indicou que para o Estado de Israel e seus cidadãos, "estes são dias difíceis" e acrescentou que "existem elementos no norte (do Líbano) e no sul (em alusão à Gaza) que ameaçam" a estabilidade e "estão tentando pôr a toda prova" a determinação israelense, "mas fracassarão e deverá ser pago um alto preço por suas ações".O primeiro-ministro israelense convocou para esta tarde uma reunião urgente com altos comandantes militares e analistas dos serviços de segurança para analisar a situação.Por sua parte, o Hezbollah emitiu um comunicado sobre a captura dos dois soldados israelenses em território libanês, mas não revelou ainda sua identidade."Em cumprimento de sua promessa de libertar os prisioneiros e os detidos, a Resistência Islâmica (nome do braço armado do Hezbollah) fez dois soldados israelenses prisioneiros nesta manhã de quarta-feira na fronteira com a Palestina ocupada (em referência ao norte de Israel)", segundo o comunicado lido na emissora de TV Al-Manar, órgão do grupo.O comunicado indica que os dois militares foram capturados às 9h05 (3h05 de Brasília) e "transferidos a um lugar seguro".Este fato ocorre no momento em que Israel busca o paradeiro de outro soldado, Gilad Shalit, capturado por milicianos palestinos na Faixa de Gaza em 25 de junho.Enquanto isso, de acordo com emissoras de rádio e fontes policiais libanesas, os confrontos entre efetivos israelenses e milicianos do Hezbollah foram registrados pela manhã ao longo da fronteira entre as regiões de Ras Nakura e Bint Jbeil.Tropas israelenses também bombardeiam a localidade sulina de Rmeil e várias outras áreas onde o Hezbollah tem bases, enquanto aviões militares de Israel sobrevoam o sul do Líbano.As localidades de Rmeich, Aita Chaab, Rcheif, Blat, Yarun e Ramia são bombardeadas intensamente pela artilharia israelense, acrescentaram as fontes.Porta-vozes do Hezbollah asseguraram que os combatentes deste grupo bombardearam posições israelenses na região de Chebaa.Durante os ataques da artilharia israelense duas pessoas morreram e outras cinco ficaram feridas. Um depósito de armas em Rachadiyeh, na cidade de Tiro, foi destruído.O Hezbollah afirmou em sua rede de televisão Al-Manar que repeliu a incursão israelense e destruiu um tanque do exército israelense.O exército israelense estima que o ataque do Hezbollah aconteceu em resposta à tentativa de Israel de assassinar, esta manhã, a Mohammed Deif, destacado dirigente do braço armado do Hamas na Faixa de Gaza.CapturaApós a divulgação da captura dos dois soldados israelenses, os habitantes dos subúrbios do sul de Beirute, de maioria xiita, e de várias regiões sulinas fizeram disparos para o ar para festejar.Palestinos celebraram nas ruas de Gaza a captura dos dois soldados israelenses e alguns também distribuíram balas para mostrar sua felicidade.Os doces foram distribuídos também no bairro de Sheik Raduan, onde nesta manhã caças-bombardeiros israelenses lançaram um ataque contra um edifício, matando nove membros de uma mesma família e ferindo outras 15 pessoas.O exército israelense retomou nesta quarta sua ofensiva terrestre na Faixa de Gaza e dividiu esse território pela zona centro-sul, entre a localidade de Khan Yunes e Deir al-Balah.É a primeira vez que o exército israelense entra nessa área de Gaza desde sua retirada do território em setembro do ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.