Israel inicia ofensiva por terra em Gaza, dizem Forças Armadas

Porta-voz das Forças de Defesa de Israel (IDF) afirma que objetivo é destruir túneis na fronteira entre a Faixa de Gaza e o Egito

O Estado de S. Paulo

17 Julho 2014 | 16h53

(Atualizada às 18h) GAZA - O Exército de Israel iniciou nesta quinta-feira, 17, uma grande operação por terra na Faixa de Gaza ampliando a ofensiva contra o território palestino, afirmou um porta-voz do Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês), por meio do Twitter.

A ofensiva por terra ocorre após 10 dias de bombardeios aéreos entre Israel e o grupo Hamas. Mais de 2 mil alvos em Gaza foram atacados e 1.500 foguetes foram lançados contra o território israelense.

Segundo o porta-voz, essa é uma nova fase da operação Limite Protetor e inclui a entrada de tanques e da infantaria posicionados há dias na fronteira. Um dos objetivos é destruir túneis que ficam da fronteira da Faixa de Gaza com o Egito, por onde militantes do Hamas driblam o embargo israelense. 

"O objetivo das Forças Armadas, definido pelo governo, é estabelecer uma realidade em que os residentes de Israel possam viver em paz e segurança sem que continue o terrorismo indiscriminado, dando um golpe definitivo à infraestrutura do Hamas", afirmou um comunicado do IDF.

Segundo a nota, a operação será coordenada pelo Comando do Sul e incluirá unidades de infantaria, artilharia blindada e unidades de inteligência coordenada com a Marinha de Guerra e a Aviação.

A decisão israelense de entrar em Gaza foi tomada após seis horas de cessar-fogo humanitário pedido pela ONU. Minutos após o fim do prazo, mais de uma centena de foguetes foram lançados contra o centro e o sul de Israel.

A última ofensiva terrestre de Israel em Gaza foi com a operação Chumbo Fundido, que durou três semanas entre 2008 e 2009 e deixou 1,4 mil palestinos e 13 soldados israelenses mortos. De acordo com a rede britânica BBC, o primeiro-ministro Binyamin Netanyahu ordenou que o Exército inicie a ofensiva terrestre. / AP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.