Israel inicia retirada de colônias ilegais na Cisjordânia

O Exército israelense desmantelou na manhã desta terça-feira dez colônias ilegais das 15 primeiras que serão retiradas nos próximos dias na Cisjordânia, informou o vice-ministro da Defesa israelense, Zeev Boim. Segundo ele, alguns assentamentos palestinos ilegais na região devem ser legalizados em breve. ?A paralisação dos colônias israelenses acontecerá progressivamente em função do final da violência. Isso acontecerá quando o primeiro-ministro palestino, Mahmud Abbas, e o ministro para Assuntos de Segurança, Mohamad Dahlan, provarem que lutam efetivamente contra o terrorismo?, salientou Boim.A Autoridade Nacional Palestina (ANP) afirmou que a suposta retirada das colônias são um teatro do primeiro-ministro israelense, Ariel Shron, para convencer a opinião pública mundial de que Israel está comprometido com o acordo de paz.A ANP diz que as colônias que estão sendo desmanteladas estão vazias. Já Israel confirmou que pelo menos duas delas há famílias. Cerca de 220 mil pessoas vivem em 150 assentamentos na Cisjordânia e Faixa de Gaza.A retirada das colônias israelenses de terras palestinas faz parte do plano Mapa da Estrada firmado entre Israel e ANP, e patrocinado pelos Estados Unidos. Já os palestinos se comprometeram a controlar os grupos islâmicos extremistas, que patrocinam atentados contra o povo israelense. O plano de paz pretende criar um Estado palestino em 2005.O secretário de Estado dos EUA, Colin Powell disse estar satisfeito com a ação israelense nas colônias. "Israel está cumprindo o compromisso feito com a comunidade internacional na Cúpula de Ácaba". Violência - Na noite desta segunda, soldados israelenses mataram dois palestinos perto do assentamento de Netzarim, na Faixa de Gaza, informou um funcionário da segurança palestina. Ao sul de Jenin, no norte da Cisjordânia, um outro palestino foi morto. Segundo testemunhas, o palestino foi morto quando tentou fugir de soldados de Israel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.