Israel inicia retirada do Líbano, mas trégua permanece tensa

Israel lentamente começa a retirar suas tropas do sul do Líbano. O Estado judeu fez planos de entregar o território nesta terça-feira, no primeiro dia inteiro de tenso cessar-fogo, com tiroteios e lançamento de foguetes apenas por parte do Hezbollah.Mas as forças de Israel e do Hezbollah evitaram qualquer escalada na violência, aumentando as esperanças de que o pacto imposto pela ONU possa dar certo. Enquanto isso, governantes em todo o planeta se apressam para enviar tropas internacionais para o sul do Líbano e, assim, firmar a paz. Ainda assim, na madrugada desta terça-feira, guerrilheiros do Hezbollah atiraram ao menos dez foguetes no sul do Líbano, mas nenhum deles atravessou a fronteira com Israel. O Estado judeu informou que duas batalhas ocorreram e que, nelas, seus soldados dispararam contra cinco milicianos. Não ficou claro se os guerrilheiros formam mortos ou feridos. Na segunda-feira, seis milicianos foram mortos.O Exército israelense, que enviou ao sul do Líbano cerca de 30 mil soldados para combater os militantes islâmicos, planeja entregar partes do território libanês ocupado para as forças de paz da ONU em um ou dois dias. O Exército informou, também, que as tropas deverão ser totalmente retiradas entre uma semana e dez dias. O ministro da defesa do Líbano, Elias Murr, disse que uma força libanesa de cerca de 15 mil soldados deverá ser enviada ao norte do Rio Litani até o fim da semana. Porém, essas tropas terão de forçar as áreas ao norte do rio controladas pelo Hezbollah a seguirem o governo central pela primeira vez em décadas. Troca de soldadosMilitares israelenses também fizeram menção a uma possível negociação pós-guerra. Eles disseram ter 13 membros do Hezbollah presos e dezenas de corpos de militantes que podem ser oferecidos na troca pelos dois soldados israelenses mantidos em cativeiro desde o início de conflito, em 12 de julho.Murr também afirmou que "não haverá nenhuma arma ou presença militar que não seja o Exército" após as tropas libanesas serem levadas ao sul do Rio Litani. Porém, ele acrescentou, o Exército não pedirá ao Hezbollah para que entregue suas armas, fato extremamente delicado que ninguém até agora está pronto para negociar. O ministro da defesa também disse que as forças internacionais deverão ser posicionadas na próxima semana para reforçar as atuais forças de paz da ONU que estão no sul do Líbano (cerca de 2 mil soldados). O ministro do exterior italiano disse nesta terça que seu país poderá enviar mais de 3 mil soldados ao Líbano. França, Turquia, Malásia e Indonésia também ofereceram tropas.As forças de paz terão de, além de patrulhar a região do Litani, dar segurança a um grande esforço para a reconstrução do sul do Líbano, onde várias vilas estão em ruínas e até serviços básicos, como o fornecimento de eletricidade e de água, levarão semanas para serem restauradas.Matéria ampliada às 17h42

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.