Israel inocenta soldados que atropelaram ativista com trator

A procuradoria militar de Israel inocentou os soldados que passaram por cima de uma ativista americana com um trator. As autoridades refutaram as alegações de testemunhas que disseram que Rachel Corrie, de 23 anos, estava na linha de visão dos militares que conduziam a máquina.A ativista tentava bloquear a passagem da escavadeira que participava da demolição da casa de um médico palestino na campo de refugiados de Rafah. Segundo o Exército de Israel, a casa foi destruída como parte de uma operação para evitar o contrabando de armas.Na época do incidente, membros do grupo Movimento de Solidariedade Internacional disseram que o motorista do trator era capaz de ver Corrie parada diante da máquina, e que a morte da ativista havia sido proposital. Mas, de acordo com o Exército, uma investigação militar concluiu que os soldados responsáveis pelo trator não sabiam da presença dela e não tiveram a intenção de matá-la.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.