Israel intercepta barco que se dirigia para Gaza

A Marinha de Israel interceptou hoje um barco francês que tentava romper o bloqueio naval à Faixa de Gaza. Não houve resistência durante a tomada da embarcação, ocorrida em águas internacionais. Os marinheiros entraram no barco depois de os ativistas pró-palestinos que estavam a bordo terem ignorado os pedidos para que mudassem de curso.

AE, Agência Estado

19 de julho de 2011 | 10h08

A Marinha israelense afirmou que a embarcação, o Dignity al-Karama, será levada ao porto de Ashdod, no sul de Israel. Passageiros estrangeiros devem se deportados.Os militares israelenses haviam advertido que interceptariam qualquer tentativa de romper o bloqueio naval à Gaza, imposto quatro anos atrás com o argumento de evitar o contrabando de armas para o Hamas, grupo que governa o território palestino.

No ano passado, comandos navais israelenses entraram em confronto com ativistas armados com facas e porretes num navio turco que tentava chegar a Gaza. Nove ativistas turcos, um deles com cidadania norte-americana, morreram. Os dois lados afirmam ter agito em autodefesa. A ação militar atraiu duras críticas internacionais, forçando Israel e aliviar o bloqueio a Gaza. Mas o embargo naval continua sem alteração.

Desde a ação em maio de 2010, a Marinha israelense interceptou duas embarcações que pretendiam chegar a Gaza sem incidentes. Mas se preparou por meses para a chegada da nova flotilha, dizendo ter adotado novas práticas com o objetivo de evitar novos derramamentos de sangue.

O Dignity al-Karama foi o único barco remanescente de uma grande flotilha que foi impedida de partir semanas atrás de portos gregos. O grupo Plataforma Palestina, sediado na França, um dos organizadores da flotilha, disse que a interceptação israelenses "mostra claramente a lógica militar da política de Israel, que fala apenas a língua da força". Em mensagem de texto enviada a repórteres, o governo do Hamas em Gaza condenou a captura do barco.

Dezesseis pessoas, dentre elas ativistas da França, Canadá e Suécia, jornalistas e três tripulantes, estão a bordo do barco francês. Ele disseram que não levavam qualquer tipo de ajuda a bordo e que a missão tinha como objetivo fazer uma "declaração política" contra o bloqueio israelense. Um porta-voz do grupo na França, Maxime Guimberteau, disse que o grupo chamado "Um barco francês para Gaza" esteve em contato com ele mais cedo e contou que quatro navios da Marinha israelense haviam cercado a embarcação.

Guimberteau disse que a embarcação estava a cerca de 65 quilômetros de Gaza, em águas internacionais no Mediterrâneo e que seu contato com o barco foi interrompido.

Israel impôs o embargo naval em 2007, depois que militantes do Hamas tomaram o controle de Gaza. O governo israelense diz que a medida é necessária para impedir que armas cheguem ao Hamas, mas críticos dizem que o bloqueio não conseguiu enfraquecer o grupo militante e, ao atingir a economia do território, prejudica coletivamente 1,6 milhão de pessoas. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.