Israel lança onze ataques contra sul de Beirute

A aviação israelense bombardeou hoje os bairros do sul de Beirute, reduto do grupo xiita libanês Hezbollah, após quase 24 horas de calma na capital libanesa.Os caças-bombardeiros realizaram 11 operações de combate contra vários edifícios de Haret Hreik, Ruweis e Ouzzie, onde podem ser vistas densas colunas de fumaça.O bombardeio ocorreu horas depois de a Resistência Islâmica, braço armado do Hezbollah, lançar vários foguetes sobre o norte de Israel, matando pelo menos 12 militares israelenses. Tentativa de acordoOs ataques ocorreram após a divulgação de um acordo entre a França e os Estados Unidos sobre um cessar-fogo que não satisfez o Governo libanês. O presidente do Parlamento libanês, Nabih Berri, disse que o Líbano rejeita a minuta de resolução apresentada ao Conselho de Segurança das Nações Unidas e pediu que alguns de seus aspectos "sejam reconsiderados". Ele avalia que aceitar esta minuta de resolução significaria que as tropas israelenses poderiam continuar ocupando as áreas que estão ocupadas atualmente. A minuta de resolução é o resultado do acordo fechado neste sábado entre Estados Unidos e França sobre uma resolução do Conselho de Segurança da ONU para colocar um fim nos combates entre Israel e o Hezbollah, no Líbano. Os dois países fazem a mediação com as partes em conflito: os EUA, com Israel, e a França com o Líbano (o Hezbollah aceitou ser representado pelo governo libanês, do qual faz parte).Já o Governo israelense informou que está analisando a proposta, embora vários de seus ministros já tenham indicado que o conflito parece estar chegando ao fim.Hostilidades intensificaram-se As hostilidades se tornaram mais intensas nas últimas horas, com a morte de seis libaneses em ataques de Israel e de pelo menos nove israelenses devido aos foguetes do Hezbollah.Pelo menos seis civis morreram hoje e outros cinco ficaram feridos em um ataque aéreo israelense a Ansar, perto de Sidon, 40 quilômetros ao sul de Beirute, informaram fontes policiais. Aviões de combate israelenses lançaram um míssil ar-terra contra uma casa onde moravam 11 pessoas, que foi atingida novamente enquanto as equipes de resgate trabalhavam entre os escombros.No sábado, a cidade de Sidon amanheceu cheia de panfletos nos quais o Exército israelense advertia a população a deixar suas casas.No leste do país, na região de Baalbeck, os caça-bombardeiros israelenses atacaram várias estradas, assim como diferentes alvos no norte de Beirute e duas pontes em Akkar, perto da fronteira com a Síria.Além disso, um bombardeio inutilizou a estrada que passa por Ainata e os aviões israelenses também atacaram alvos ligados à Frente Popular de Libertação da Palestina-Comando Geral na localidade de Qusaya-Kfar Zabad, em Bekaa.Em resposta, o Hezbollah lançou dezenas de foguetes contra o norte israelense, deixando pelo menos dez mortos e 21 feridos.Segundo fontes locais, pelo menos nove das vítimas eram militares que estavam em um posto de controle na localidade de Kfar-Giladi, onde outras nove pessoas ficaram feridas, quatro delas gravemente.Em Kiryat Shmona, outras 12 pessoas ficaram gravemente feridas. As cidades de Akko, Ma´alot, Safed e outras regiões das Colinas de Golã também foram atingidas por séries de mísseis disparadas do Líbano.No sul do país, o Hezbollah informou que na manhã de hoje seus milicianos tinham evitado uma incursão militar israelense na região da fronteira e tinham destruído dois tanques e dois bulldozer.O movimento xiita também indicou que os combatentes lançaram um ataque contra as forças israelenses presentes no vale Honin, perto da fronteira entre os dois países, no qual "mataram e feriram" vários soldados, além de obrigar os demais a recuarem.Fontes militares israelenses reconheceram hoje que cinco soldados israelenses morreram nos últimos dois dias em combates no sul libanês, e asseguraram que seu Exército matou 50 milicianos no mesmo período, 12 deles na última noite.Entre as vítimas estão os dois primeiros reservistas mortos em 26 dias de conflito, em confrontos nas aldeias libanesas de Ayta Chaab e Nabi al Auadi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.