Majdi Mohammed/AP
Majdi Mohammed/AP

Israel liberta suspeitos ligados a incêndio que matou bebê

A imprensa israelense informou sobre 12 detenções no domingo em operações nos assentamentos ilegais de Adei Ad e Baladim, ao norte da Cisjordânia

O Estado de S. Paulo

10 de agosto de 2015 | 17h35

JERUSALÉM - Os serviços de segurança de Israel libertaram todos os suspeitos detidos no domingo pelo incêndio de uma casa palestina que matou um bebê de 18 meses e seu pai."Todas as pessoas detidas ontem (domingo) para interrogatório foram liberadas", afirmou à France-Presse uma porta-voz da Segurança Interna, sem revelar números.

A imprensa israelense informou sobre 12 detenções no domingo em operações nos assentamentos ilegais de Adei Ad e Baladim, ao norte da Cisjordânia, território palestino ocupado por Israel. Os dois assentamentos ficam perto de Duma, a localidade palestina onde criminosos atearam fogo a uma casa palestina no dia 31.

O incêndio provocou a morte do bebê Ali Dawabcheh, de 18 meses, no momento do ataque. O pai da criança, Saad, faleceu no sábado após vários dias de sofrimento com as graves lesões sofridas. A mãe do bebê e seu irmão também ficaram gravemente feridos.

Após o ataque contra a residência palestina e de uma ação um dia antes durante a passeata do Orgulho Gay em Jerusalém, quando um ultraortodoxo judeu atacou várias pessoas com uma faca, causando uma morte e deixando cinco feridos, Israel busca intensificar a luta contra o extremismo judeu.

Além das operações de domingo, três supostos extremistas judeus foram objetos de uma forma controversa de detenção sem indiciamento, geralmente utilizada contra os palestinos.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, chamou o incêndio do dia 31 de "terrorismo" e se comprometeu a utilizar todos os meios legais para localizar os autores, mas muitas pessoas acusaram o governo de lentidão para abordar o problema do extremismo judeu. / AFP


Tudo o que sabemos sobre:
IsraelpalestinosCisjordânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.