AP Photo/Mahmoud Illean
AP Photo/Mahmoud Illean

Israel limita acesso de fiéis à Mesquita de al-Aqsa

Proibição ao terceiro local sagrado mais importante para o Islã ocorre às vésperas do início da festividade muçulmana de Eid Al-Adha, coincidindo com o evento mais solene do calendário hebreu, o Yom Kippur

O Estado de S. Paulo

21 Setembro 2015 | 14h45

JERUSALÉM -  As autoridades de Israel decidiram nesta segunda-feira, 21, limitar o acesso de fiéis à Mesquita de Al-Aqsa, o terceiro local sagrado mais importante para o Islã, às vésperas do início da festividade muçulmana de Eid Al-Adha, coincidindo com o evento mais solene do calendário hebreu, o Yom Kippur.

De acordo com a determinação que entrou em vigor hoje, só se permitirá a entrada de homens maiores de 40 anos e mulheres de qualquer idade na Esplanada das Mesquitas, que abriga, além disso, a Cúpula da Rocha, informou a Polícia local.

"Ao término de uma reunião sobre a situação da segurança e devido à desordem provocada por jovens árabes no Monte do Templo (como os judeus chamam o complexo) foi decidida a limitação da entrada dos muçulmanos no recinto", diz um porta-voz do órgão em comunicado.

Milhares de agentes de segurança israelenses, entre policiais, soldados antidistúrbios e oficiais da Polícia de Fronteiras, vigiarão Jerusalém nos próximos dois dias, em particular a parte oriental ocupada em 1967 e onde se encontram os principais santuários.

As medidas foram tomadas depois de uma semana de violentos enfrentamentos, que teve como epicentro o complexo que abriga a Mesquita de Al-Aqsa e que se estenderam a outros pontos de Jerusalém e da Cisjordânia.

Jovens palestinos atiram pedras contra veículos, pedestres e integrantes das forças de segurança israelenses na região. Outros confrontos são originados durante as operações feitas pela Polícia para buscar suspeitos de participar nos distúrbios.

Israel prendeu na noite de ontem 21 palestinos, entre eles vários menores, acusados de ter envolvimento nos confrontos ocorridos em Jerusalém na semana passada. Desde o início dos conflitos, 40 pessoas já foram detidas e vários ficaram feridos nos enfrentamentos no território palestino ocupado. De acordo com a agência Ma'an, mais 17 palestinos foram presos hoje na cidade, incluindo 11 menores. 

A jornada do Yom Kippur começa amanhã à noite e se prolonga durante a quarta-feira. Milhares de judeus visitam o Muro das Lamentações, que está situado na Esplanada das Mesquitas.

Já a festividade do Eid Al-Adha (Festa do Sacrifício) terá início na quarta-feira e vai até o domingo. O evento é um dos mais importantes para os muçulmanos, que visitam em massa a Mesquita de Al-Aqsa para orar.

A Polícia informou que uma série de medidas de restrição ao trânsito na Cidade Antiga serão implantadas amanhã. Além disso, as autoridades fecharão o principal acesso usado por judeus e turistas, o Portal de Jaffa, estabelecendo controles em toda Jerusalém. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Israel Palestina Eid Al-Adha Al-Aqsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.