AFP PHOTO / POOL / ABIR SULTAN
AFP PHOTO / POOL / ABIR SULTAN

Israel manterá laços com Autoridade Palestina apesar de pacto com Hamas, diz Netanyahu

Citando três fontes, jornal 'Haaretz' diz que primeiro-ministro Binyamin Netanyahu informou a membros de seu gabinete que não reconhecerá acordo entre Fatah e Hamas, mas também não impedirá seu cumprimento nem romperá relações com a AP

O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2017 | 16h00

JERUSALÉM - Israel não cortará os contatos com a Autoridade Palestina (AP) devido ao pacto de reconciliação alcançado com o movimento islamita Hamas, garantiu o primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, a membros do seu gabinete, segundo informou nesta terça-feira, 17, o jornal "Haaretz".

As sanções da Autoridade Palestina impostas ao Hamas

O governo israelense não reconhecerá o acordo, mas tampouco impedirá seu cumprimento nem romperá relações com a AP, disse Netanyahu em um encontro esta semana do denominado Gabinete de Segurança, um grupo seleto de ministros que decide sobre questões relevantes.

Nesse sentido, Israel permitiu na última semana a entrada de 120 ministros e funcionários palestinos na Faixa de Gaza para tomar o controle dos ministérios e da administração nesse território, após o Hamas (no poder no enclave há uma década) optar por devolver à AP a responsabilidade de gestão.

Segundo três fontes cientes do encontro citadas pelo jornal, Netanyahu declarou que facilitará o cumprimento do pacto e o retorno de líderes da AP a Gaza por considerar que isso beneficia Israel e que ajudará a melhorar as condições de vida em Gaza, o que também é de interesse israelense.

Netanyahu destacou aos ministros que informou a Egito e Estados Unidos que o acordo de reconciliação não servirá para facilitar o reinício de conversações de paz entre israelenses e palestinos, que a Casa Branca tenta impulsionar.

O gabinete de Segurança deve reunir novamente nesta terça para estabelecer as políticas concretas que Israel tomará a respeito da reconciliação palestina.

Na quinta-feira passada, as duas principais facções palestinas, Hamas e o partido nacionalista Fatah (que controla a AP) assinaram no Cairo o pacto de reconciliação alcançado com mediação egípcia para pôr fim a dez anos de divisão que mantiveram governos paralelos em Gaza e Cisjordânia. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.