Israel mata dois palestinos na Cisjordânia

Tropas israelenses mataram a tiros dois militantes palestinos no norte da Cisjordânia nesta terça-feira, um dos quais era procurado por organizar ataques suicidas. Em Jerusalém, a polícia prendeu uma jovem palestina de 17 anos que, segundo Israel, teria a intenção de perpetrar um atentado suicida. Oficiais disseram que encontraram um cinturão com explosivos nos arredores da cidade, que seria usado pela menina no ataque. O Exército israelense acredita que Ali Adjuri, um dos palestinos mortos nesta madrugada, organizou um ataque suicida nas redondezas de Tel Aviv, em 17 de julho, no qual cinco pessoas morreram. Os dois palestinos foram mortos quando seguiam para suas casas, no povoado de Jaba´a, perto da cidade de Jenin, no norte da Cisjordânia, por volta da meia-noite. Moradores disseram ter ouvido helicópteros sobrevoando o vilarejo e, em seguida, vários disparos. Os corpos dos dois palestinos foram encontrados somente na manhã de hoje. Estas mortes acontecem no momento em que as forças de segurança israelense e palestina se reúnem para tentar um grande acordo para pôr fim aos 22 meses ininterruptos de violência na região, que já vitimou mais de 2.000 pessoas. O ministro da Defesa de Israel, Binyamin Ben-Eliezer, esteve reunido hoje com o ministro do Interior palestino, Abdel Razak Yehiyeh, para discutir propostas para um cessar-fogo que permita a retirada das tropas israelenses de algumas áreas palestinas. A Faixa de Gaza e várias cidades da Cisjordânia foram mencionadas como possibilidades de pontos de partida. Yehiyeh e outros altos funcionários palestinos vão se reunir esta semana com o secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, em Washington. Ao mesmo tempo, no Egito, o presidente Hosni Mubarak queixou-se do primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, pela ausência de um plano de paz para a região. Ele sugeriu ainda que a situação é agravada pela raiva que Sharon sente de Yasser Arafat. ?Sharon odeia Arafat, que também não gosta de Sharon. E por que os israelenses e palestinos deveriam pagar com suas vidas por este ódio mútuo? Vocês, especialmente a parte mais forte, devem achar uma maneira de seguir em frente e colocar fim a este desencontro. Garanto que o problema não é Arafat. É possível haver negociações sem os líderes?. Mubarak esteve reunido nesta segunda-feira com o ministro das Relações Exteriores de Israel, Shimon Peres. As declarações do presidente egípcio foram publicadas hoje pela imprensa israelense, mas os assessores de Sharon não quiseram comentar o assunto. Peres disse que Mubarak manifestou opiniões muito mais moderadas durante a reunião. Ainda hoje, a Corte Suprema de Israel ratificou a prática de demolir sem aviso prévio as casas dos palestinos suspeitos de terrorismo. Grandes Acontecimentos InternacionaisESPECIAL ORIENTE MÉDIO

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.