Israel mata líder do Hamas e grupo jura vingança

O militante do Hamas, Mahmud Abu Hannud, de 34 anos, um dos principais chefes militares do movimento de resistência islâmica, foi morto nesta sexta-feira em um ataque de helicópteros israelenses ao norte da cidade de Nablus, na Cisjordânia. Hannud era um dos militantes do Hamas mais procurados por Israel. A tática israelense de "eliminação de ativistas" palestinos suspeitos de envolvimento em atentados já deixou 60 mortos desde seu início, em novembro de 2000. Em resposta, o Hamas prometeu uma sangrenta represália pelo assassinato de integrante. Ismail Abu Chanab, dirigente do Hamas na Faixa de Gaza, qualificou o assassinato de Abu Hanud de "mais um crime de Israel contra o povo palestino".O Hamas, que rejeita o processo de paz entre israelenses e palestinos, assumiu a maior parte dos atentados contra alvos israelenses desde os acordos de autonomia, em 1993.Em outro incidente na cidade de Nablus, dois membros da facção política de Yasser Arafat, a Al-Fatah, também morreram quando seus carros explodiram de forma misteriosa no oeste da cidade. Mais cedo, na sexta-feira, soldados do Exército de Israel mataram um adolescente palestino após o enterro de cinco crianças palestinas, no campo de refugiados de Khan Younis, na Faixa de Gaza. Ele levou um tiro na cabeça quando jogava pedras junto com outros palestinos contra soldados israelenses. Desde o início da Intifada, em setembro de 2000, o conflito já matou 989 pessoas, sendo 778 palestinos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.