Israel mata menino de 10 anos; cai popularidade de Sharon

Soldados israelenses mataram hoje três palestinos e um menino de 10 anos na Faixa de Gaza, informaram agentes de segurança, ao mesmo tempo em que uma nova pesquisa indica queda na popularidade do primeiro-ministro Ariel Sharon, principalmente devido ao prolongado estancamento nos esforços de paz. Segundo analistas políticos, uma desigual troca de prisioneiros com o grupo guerrilheiro libanês Hezbolla também afeta a popularidade do premier. Sharon apresentará a seu gabinete no domingo a proposta de intercâmbio de presos, mas sua aprovação não é certa, já que alguns ministros se opõem a ela e outros ainda não se decidiram sobre a questão. Na Cisjordânia, uma disputa entre o líder palestino Yasser Arafat e o primeiro-ministro Ahmed Qureia sobre o controle das forças de segurança continuava sem solução hoje apesar de uma série de reuniões realizadas em dias recentes. O estancamento evita a formação de um novo governo palestino, a retomada de conversações de alto nível com Israel e põe em perigo uma conferência internacional de países doadores. A pesquisa que indica uma queda na popularidade de Sharon foi publicada hoje pelo jornal Maariv. A sondagem indica que apenas 34% dos entrevistados estão satisfeitos com o desempenho do premier, em contraste com os 40% de uma pesquisa realizada há duas semanas. A desaprovação aumentou de 54% para 57%. O levantamento tem uma margem de erro de 3,2 pontos porcentuais. O povo israelense sente-se cada vez mais insatisfeito com o estancamento do processo de paz, com a taxa de desemprego e com a fraca economia, de acordo com o analista político do Maariv Hemi Shalev. Segundo ele, a questão da troca de prisioneiros também influencia na desaprovação do premier. Segundo o acordo, Israel libertaria 400 prisioneiros palestinos e libaneses, incluindo dois líderes guerrilheiros, em troca do empresário israelense Elhanan Tannenbaum e dos cadáveres de três soldados israelenses. Mas o pacto não inclui Ron Arad, membro da força aérea que foi capturado no Líbano em 1986. A família de Arad acusou o governo de tê-lo abandonado. Em Gaza, o menino Mahmoud Kayed, de 10 anos, foi morto a balas hoje cedo ao leste da Cidade de Gaza quando caçava aves na vala fronteiriça construída por Israel. Outro menino, de 12 anos que o acompanhava, foi ferido em uma das pernas. À noite (pelo horário local), soldados israelenses mataram três palestinos em dois diferentes enfrentamentos em Gaza. O Exército israelenses confirmou ambos os incidentes mas não deu detalhes sobre as mortes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.