Israel matou cem crianças palestinas em 2003, diz Anistia

Forças israelenses mataram mais de 600 palestinos no último ano, dos quais cem eram crianças, denuncia a Anistia Internacional (AI). A constatação vem à tona em um momento no qual Israel enfrenta duras críticas por uma incursão militar de uma semana que resultou na morte de 45 palestinos e na demolição de dezenas de casas no campo de refugiados de Rafah, no extremo sul da Faixa de Gaza. Em um relatório anual, a Anistia Internacional qualificou como "punição coletiva" a destruição de casas durante as incursões israelenses em áreas palestinas. O grupo de defesa dos direitos humanos também pediu a abertura de uma investigação independente sobre as dezenas de mortes ocorridas durante a mais recente operação militar contra Rafah. O governo do Estado judeu recusou-se a comentar o relatório. A Anistia Internacional também denuncia que 200 israelenses, inclusive 21 crianças, morreram em ataques de grupos armados palestinos em 2003. De acordo com o relatório, o uso de homens-bomba contra alvos civis é um crime contra a humanidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.