Israel matou militante na Cisjordânia, dizem palestinos

Dirigente da Jihad Islâmica morre em batida israelense no território controlado pela Autoridade Palestina

Associated Press e Efe,

05 de fevereiro de 2009 | 08h50

Um militante palestino foi morto pelo Exército de Israel na Cisjordânia na manhã desta quinta-feira, 5, segundo informação divulgada pelos serviços de segurança palestinos. Alla Eddin Abu Rob, de 21 anos, era um membro do braço armado da Jihad Islâmica, a Brigadas Al-Quds. Ele foi atingido por soldados israelenses em sua casa em Qabatiya, perto de Jenin, no norte da Cisjordânia, segundo os serviços de segurança palestinos.   Segundo as testemunhas, por volta das 5h30 (1h30 de Brasília), uma unidade especial do Exército israelense e agentes do serviço de segurança interna, o Shabak, cercaram sua casa e atiraram no miliciano quando ele saiu pela porta. Outras fontes afirmam que as forças israelenses atacaram o imóvel a tiros e mataram o miliciano.   O Exército israelense confirmou a batida e um porta-voz declarou que atacaram a casa do miliciano "com a intenção de detê-lo", mas que, "ao vê-lo armado, atiraram contra ele". Acrescentaram que apreenderam na casa um explosivo, duas armas, um colete à prova de balas e vários carregadores.   De acordo com o Shabak, o miliciano planejava um atentado contra Israel e a batida foi feita após o testemunho de cinco palestinos que foram detidos na semana passada. Em Gaza, as Brigadas de Jerusalém, braço armado da Jihad, confirmaram a identidade da vítima em um panfleto distribuído nas ruas. "As forças de ocupação assassinaram a sangue frio Alla Eddin Abu Rob após atacá-lo e a sua família. Este crime não passará em branco e vingaremos", diz o panfleto.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelCisjordâniapalestinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.