Israel não confirma trégua e diz que ampliará ofensiva

O governo de Israel disse que é bem-vinda a proposta feita hoje pelo Egito e pela França para um cessar-fogo na Faixa de Gaza, mas também deu luz verde para seus militares ampliarem as operações no território palestino, em seu assalto contra o grupo islâmico Hamas. O presidente francês, Nicolas Sarkozy, afirmou hoje mais cedo, em Paris, que Israel e a Autoridade Palestina aceitaram um plano elaborado por França e Egito para a Faixa de Gaza, mas o governo israelense não confirmou de que havia aceito a proposta de cessar-fogo. Israel disse que precisa garantir de que qualquer cessar-fogo irá acabar com o lançamento de foguetes e evitará o rearmamento do Hamas. Já o Hamas pede que os cruzamentos na fronteira da Faixa de Gaza com o Israel e o Egito sejam reabertos. O Hamas rejeita o envio de tropas internacionais de paz para a região, algo que está na proposta da França e do Egito.Apesar das várias ponderações, a proposta poderia marcar o primeiro sinal de solução diplomática para o conflito que já dura 12 dias de carnificina em Gaza, acompanhado pelo contínuo disparo de foguetes pelos Hamas. A expansão da ofensiva foi aprovada pelo Gabinete de Defesa do governo israelense e prevê uma "terceira fase" das operações. A primeira fase, os ataques aéreos, começaram em 27 de dezembro do ano passado. A segunda fase, a invasão terrestre da Faixa de Gaza, começou no sábado passado, dia 3 de janeiro.Hoje, Israel implementou uma "trégua humanitária" de três horas para permitir a entrada de alimentos e combustíveis na Faixa de Gaza para os sitiados civis palestinos. No total, 80 caminhões, com alimentos e combustíveis para as termelétricas que geram a eletricidade do território, puderam entrar. Médicos tentaram recuperar corpos em áreas onde, por causa do fogo cruzado, era difícil se aproximar. O som das ambulâncias podia ser ouvido à distância, enquanto muitos veículos levavam feridos para o Egito. Vários bombardeios e disparos de tanques israelenses foram ouvidos logo após o final da trégua humanitária de três horas.Plano de cessar-fogoO presidente francês, Nicolas Sarkozy, afirmou hoje mais cedo, em Paris, que Israel e a Autoridade Palestina aceitaram um plano elaborado por França e Egito para a Faixa de Gaza. Sarkozy não mencionou o Hamas, grupo que controla a Faixa de Gaza. O governo de Israel não confirmou a declaração de Sarkozy, de que havia aceito a proposta de cessar-fogo.As declarações do líder francês foram divulgadas em comunicado. Sarkozy disse que "saúda fortemente" a aceitação pela Autoridade Palestina e por Israel do plano apresentado ontem pelo presidente egípcio, Hosni Mubarak. O texto não traz detalhes sobre a proposta.Israel disse, por um porta-voz, que "saúda" o projeto. O funcionário disse que o país poderia aceitar o plano se houvesse o fim do "fogo hostil" em Gaza e também medidas para evitar o rearmamento do Hamas. Israel realiza uma operação militar em Gaza desde 27 de dezembro, que já deixou mais de 600 mortos. Desde a noite de sábado, o Exército israelense lançou uma ofensiva por terra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.