Israel não respeitará trégua ser for atacado com foguetes

O Exército de Israel disparará contra milicianos palestinos, caso eles tentem atacar seu território com foguetes Qassam, apesar da situação de trégua na Faixa de Gaza, segundo uma nova ordem dada às forças que estão no local. A ordem foi dada no terceiro dia da trégua acertada no sábado entre o presidente palestino, Mahmoud Abbas, e o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert. Os soldados israelenses deverão disparar somente se tiverem total certeza que localizaram milicianos preparando-se para disparar, ou seja, apenas com fins preventivos, segundo a ordem. A trégua entrou em vigor no domingo, às 6 horas (horário local). No mesmo dia, as milícias dispararam vários foguetes. O mesmo aconteceu na segunda-feira, quando um foguete caiu em Israel e outro em território palestino. A Autoridade Nacional Palestina (ANP) se comprometeu a posicionar suas forças no norte de Gaza para impedir os ataques. Mas os 13 mil homens previstos ainda não estão mobilizados. Olmert disse no domingo que Israel atuará com "comedimento e paciência" em relação às violações palestinas. Segundo o jornal Ha´aretz, a nova ordem procura impedir que os foguetes causem mais vítimas entre civis israelenses. O ministro da Defesa, Amir Peretz, afirmou na segunda-feira que a trégua não representa uma interrupção das atividades do Exército, que permanece em estado de alerta ao longo da fronteira. "As organizações terroristas devem entender que não estamos descansando. Estamos preparados para diferentes tipos de reação", avisou Peretz.

Agencia Estado,

28 Novembro 2006 | 05h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.