Israel não será o primeiro a usar armas nucleares, diz Sharon

O primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, advertiu hoje que Israel jamais será o primeiro "a utilizar armas de destruição em massa (contra o Iraque)", mas esclareceu que "naturalmente, tomamos todas as precauções necessárias". Entrevistado pelo semanário francês Le Point, Sharon respondeu a avaliações de "especialistas do Pentágono, segundo as quais, em caso de ataque iraquiano contra Israel com armas convencionais, Tel Aviv poderia responder usando a bomba atômica". "Israel apoiará qualquer decisão americana, mas não exercerá nenhuma pressão - nem para anular, nem para antecipar a data de uma eventual ação armada?, advertiu Sharon. "Disse claramente ao presidente americano, George W. Bush, em minha última visita a Washington, que se trata de uma decisão totalmente dele". Na entrevista ao semanário francês, dedicada em grande parte ao conflito com os palestinos, Sharon indicou que no futuro o presidente palestino deve ter uma função "simbólica", sem nenhum controle sobre o governo, nem direito a "meter o nariz em questões financeiras e de segurança". "A função presidencial poderia ser simbólica, com um primeiro-ministro ou um chefe de governo sobre o qual o presidente não teria nenhum controle", explicou Sharon. Segundo o mandatário israelense, "o premier palestino teria sob sua autoridade o ministro do Interior, responsável pela organização da segurança". Sharon esclareceu que "a organização da segurança palestina não deve mais depender de (Yasser) Arafat". O premier israelense afirmou que é possível a paz entre israelenses e árabes, "mas os árabes devem renunciar a sua vontade de agredir Israel, devem reconhecer os direitos históricos do povo judeu a viver em segurança e em paz".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.