Israel não tem intenção de atacar a Síria, diz Olmert

O primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, disse nesta segunda-feira no parlamento que "Israel não tem a menor intenção de atacar a Síria"."Se há alguém em Damasco que está tenso, pode se tranqüilizar", disse o primeiro-ministro, ao ser interpelado pela Comissão Parlamentar para Assuntos de Defesa e Exteriores.Supõe-se que esta mensagem também tenha sido transmitida neste domingo em Jerusalém ao Alto Representante de Política Externa e Segurança da União Européia (UE), Javier Solana.Olmert admitiu aos parlamentares que o Exército "não conseguiu impedir o disparo de foguetes Qassam contra o sul de Israel", emalusão às armas artesanais que as milícias da Faixa de Gaza costumam lançar contra cidades israelenses."Não se pode impedir totalmente os disparos. Tentamos, mas não conseguimos", e por isso as Forças Armadas receberam a ordem de manter a contenção para assegurar o cessar-fogo proposto há oito dias pelos palestinos de Gaza e aceitopor Olmert.Até agora, desde que a trégua entrou em vigor, os insurgentes de Gaza dispararam 16 foguetes Qassam, aparentemente em represália poroperações do Exército israelense na Cisjordânia, região que não está incluída no cessar-fogo.As facções palestinas se reuniram no domingo à noite em Gaza, à revelia dos representantes do movimento islâmico Hamas - ao qualpertence o primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Ismail Haniyeh -, para considerar a possibilidade de estender o cessar-fogo à Cisjordânia.Fontes islâmicas em Gaza informaram que os dirigentes do Hamas "têm que pensar a fundo" sobre essa possibilidade e que só anunciarão sua opinião em duas semanas.Segundo o canal público da televisão israelense, Olmert rejeitou no domingo uma proposta do ministro da Defesa, Amir Perez, para autorizar o Exército a responder às violações do cessar-fogo porparte dos palestinos, que até agora não causaram nenhuma morte entre a população civil israelense.Olmert acredita que, devido a suas divergências internas, os palestinos podem pôr fim a qualquer momento à trégua. O gabinete do primeiro-ministro para Assuntos de Segurança resolveu no domingo à noite manter a ordem de contenção e pediu àsautoridades militares que continuem com suas operações na Cisjordânia, mas "com cuidado".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.