Israel nega espionagem no Pentágono

Autoridades israelenses negam as acusações de que o país espionou os Estados Unidos para conseguir informações sobre o Irã. Ontem surgiu a informação de que o FBI investiga se um analista do Pentágono teria passado a Israel informações secretas sobre a política americana para o Irã. As autoridades americanas recusam-se a identificar o suposto espião, mas informam que o suspeito trabalha no gabinete de Douglas J. Feith, subsecretário de políticas de defesa. Feith é o terceiro homem mais poderoso no Departamento de Defesa dos EUA e tem laços estreitos com Israel. Ele preparou documentos importantes para o ex-premier israelense Benjamin Netanyahu antes que Netanyahu fosse eleito para o cargo, em 1996, e já foi sócio de Marc Zell, um advogado israelense-americano com negócios no Iraque.As acusações trazem à tona memórias do caso Jonathan Pollard, um analista da Marinha americana condenado e preso por espionar para Israel, em 1985. Yuval Steinitz, presidente da Comissão de Negócios Exteriores e Defesa do Parlamento israelense, afirma que o caso Pollard fez com que Israel se abstivesse de espionar os EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.