Israel nomeia equipe para investigar ataque a frota humanitária

Objetivo será 'determinar os resultados e as lições aprendidas na operação'

Efe,

08 de junho de 2010 | 04h42

JERUSALÉM - O Exército israelense nomeou uma equipe de especialistas para investigar o ataque à frota internacional que transportava ajuda humanitária e pretendia romper o bloqueio à faixa Gaza, que causou a morte de nove turcos no último dia 31 de maio.

 

O grupo, liderado pelo general Giora Eiland e composto por especialistas militares de diferentes divisões, terá como objetivo "determinar os resultados e lições aprendidas na operação" e deverá apresentar seus resultados ao Estado-Maior no próximo dia 4 de julho, informa o Exército em comunicado divulgado na noite de segunda-feira, 7.

 

Importantes membros das divisões de Operações e Inteligência, além de representantes da Marinha, analisarão os dados resultantes das várias investigações militares internas que já foram iniciadas.

 

"O Exército atribui grande relevância à revisão da operação de 31 de maio para fazer cumprir o fechamento marítimo da Faixa de Gaza", diz a nota, que assegura que uma investigação deste tipo é "rotineira".

 

Enquanto isso, o governo de Benjamin Netanyahu segue avaliando as distintas opções para estabelecer uma comissão de investigação que seja aceita pela comunidade internacional, que reivindica que os fatos que levaram à morte dos ativistas sejam estudados de forma independente.

 

Segundo informa o jornal Ha'aretz nesta terça-feira, 8, o grupo dos sete ministros relevantes do Gabinete decidiu na segunda estabelecer um painel de juristas para investigar o incidente, mas Israel permanece à espera do sinal verde de Washington para começar a iniciativa.

 

O responsável da seção do Oriente Médio no Conselho de Segurança Nacional dos EUA, Dan Shapiro, está em Israel para negociar com os assessores de Netanyahu a criação de uma comissão que não só estudaria o incidente, mas também a legalidade do bloqueio a Gaza, acrescenta o jornal.

 

Aspectos jurídicos 

 

Israel criará uma comissão civil para investigar o ataque contra a frota de ajuda humanitária, mas seu mandato se limitará apenas a aspectos jurídicos do bloqueio à Faixa de Gaza e da operação marítima, afirmou um ministro.

 

"Decidiu-se que a comissão que será criada examine duas questões: se o bloqueio marítimo está conforme o direito internacional e se a operação que lançamos contra a frota também estava conforme o direito internacional", disse à rádio pública o ministro sem carteira Benny Begin, membro do gabinete de segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.