freepollard.org/Reprodução
freepollard.org/Reprodução

Israel planeja trocar espião detido nos EUA por concessões no diálogo de paz

Rádio do Exército diz que governo enviou proposta a Washington pela libertação de Jonathan Pollard

estadão.com.br

21 de setembro de 2010 | 10h41

LONDRES - O governo de Israel planeja trocar a libertação de um espião detido nos EUA por concessões no processo de paz negociado com os palestinos, informa o jornal britânico The Guardian nesta terça-feira, 21, citando a rádio do Exército israelense. Segundo o jornal, uma das concessões seria a extensão da moratória dos assentamentos, cujo prazo expira no próximo dia 26.

 

Veja também:

linkNetanyahu quer plebiscito para aprovar possível acordo

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo: Idas e vindas das negociações

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

 

O gabinete do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu está em contato com Washington para ampliar a paralisação da construção de novos assentamentos pela libertação de Jonathan Pollard, ex-analista de inteligência da Marinha americana condenado por espionagem em 1987.

 

Netanyahu tem pedido a libertação de Pollard repetidamente, mas trocá-la por concessões no processo de paz - no qual os EUA têm participação crucial - pode ajudá-lo a convencer os membros mais conservadores de seu governo sobre a extensão da moratória.

 

Segundo a rádio, Netanyahu nomeou um enviado para levar a proposta a Washington. A resposta ainda não teria sido dada. As autoridades israelenses não confirmaram a informação.

 

Pollard começou a espionar em 1984, quando passava informações para um agente do Exército de Israel. No ano seguinte, ele foi detido, depois de passar dezenas de milhares de páginas de documentos. Segundo os EUA, ele informou Israel sobre detalhes do sistema eletrônico de vigilância global americano. Ele foi condenado à prisão perpétua, e sua mulher, a cinco anos de prisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.