Israel pode libertar ativistas radicais, diz jornal

Em uma iniciativa que poderá dar impulso ao processo de paz, o governo de Israel poderá lilbertar algumas dezenas de miliantes do Hamas e da Jihad Islâmica junto com várias centenas de outros presos palestinos, disse nesta sexta-feira o jornal israelense Haaretz. Os palestinos querem que Israel liberte milhares de prisioneiros, mas o governo de Ariel Sharon até agora só aceitou libertar algumas centenas. Antes, havia dito que entre eles não estariam ativistas dos grupos islâmicos radicais. No entanto, o Haaretz disse que em meio a uma lista de 400 presos que o governo Sharon poderia libertar estão 60 militantes do Hamas e da Jihad Islâmica, dois grupos acusados de terem lançado dezenas de comandos suicidas em ataques a israelenses. Zalmon Shoval, assessor de Sharon, admitiu nessa sexta-feira que Israel parece mover-se nessa direção, mas se negou a confirmar a versão do Haaretz.

Agencia Estado,

18 Julho 2003 | 10h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.