Israel pode trocar mil palestinos por um soldado capturado, diz jornal

O Egito está mediando uma proposta para uma troca de mil prisioneiros palestinos por um soldado israelense seqüestrado há dois meses, informou um jornal saudita nesta sexta-feira.Segundo uma fonte anônima egípcia citada pelo semanário Okaz, mil prisioneiros palestinos seriam libertados em três levas três dias após a libertação do cabo Gilad Shalit.Israel rejeita publicamente qualquer pedido para a troca de prisioneiros, e a porta-voz do governo israelense Miri Eisin negou a informação de que uma delegação israelense estaria no Cairo para discussões sobre o tema. No entanto, funcionários israelenses falando em condição de anonimato confirmaram a realização de contatos com o governo egípcio com o objetivo de conseguir a liberação de Shalit. Membros do governo egípcio não puderam ser contactados nesta sexta-feira para comentar a informação.O cabo israelense foi capturado por militantes ligados ao grupo radical islâmico Hamas próximo a uma passagem de fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza no dia 25 de junho. A ação resultou em uma ampla ofensiva israelense contra militantes palestinos na Faixa de Gaza.Dias depois do início da violência, militantes libaneses do grupo fundamentalista Hezbollah capturaram dois soldados israelenses na fronteira entre os dois países. A ação, que deixou outros três soldados mortos, levou a uma guerra de 34 dias entre os israelenses e os guerrilheiros.Na noite desta sexta-feira, o chefe da inteligência alemã chegou a Beirute, mas não ficou claro qual foi a natureza de sua missão no país. Ernst Uhrlau ajudou a mediar uma troca de prisioneiros entre Israel e o Hezbollah em 2004.Em passagem por Damasco, o secretário-geral da ONU, Kofi Annan, também pediu a ajuda da Síria para a liberação dos soldados.Ainda segundo o jornal saudita, os ministros e deputados palestinos detidos por Israel após a captura de Shalit não serão soltos dentro do acordo. Ainda assim, eles poderão ser libertados em outra negociação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.