Israel posicionará tanques modernos na fronteira de Gaza

Israel posicionará na fronteira de Gaza tanques de guerra equipados com um sistema de defesa mais moderno depois que militantes palestinos terem usado pela primeira vez um novo tipo de foguete capaz de perfurar blindagens, confirmaram hoje fontes militares israelenses.

AE, Agência Estado

22 de dezembro de 2010 | 16h08

Ontem, autoridades militares de Israel confirmaram o recente uso de mísseis Kornet por militantes palestinos radicados em Gaza. Acredita-se que os foguetes sejam o que há de mais moderno no arsenal dos militantes palestinos, formado majoritariamente por mísseis de menor alcance e capacidade destrutiva.

As autoridades militares israelenses afirmam que os mísseis chegaram aos militantes por intermédio do Irã, que apoia o Hamas, partido palestino que controla a Faixa de Gaza. O Hezbollah, milícia radical do sul do Líbano, também é apoiado por Teerã e já usou mísseis Kornet em uma guerra contra o Estado judeu em 2006.

As fontes israelenses admitiram, no entanto, não disporem de provas de que os mísseis tenham vindo do Irã. Também não está claro como as armas chegaram às mãos dos militantes em Gaza, já que Israel controla as fronteiras terrestres, aéreas e marítimas do isolado território. O Hamas, que controla uma rede de túneis por onde é feito contrabando de vários itens, não negou nem confirmou possuir os foguetes.

A fronteira de Israel com Gaza tem vivido um período de relativa calmaria desde a Operação Chumbo Fundido, empreendida por Israel contra militantes palestinos entre o final de 2008 e o início de 2009, período no qual morreram mais de 1.400 palestinos (civis em sua maioria) e 13 soldados de Israel. Desde então, há registros esporádicos de disparos dos militantes comumente respondidos por mísseis israelenses. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
fronteira de GazaIsraeltanque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.