Israel prende vice-primeiro-ministro do Hamas

O vice-primeiro-ministro do governo palestino, Nasser Eddin al-Shaer, foi detido pelo Exércitoisraelense nesta quinta-feira em Ramallah, segundo fontes da segurança palestina. O político foi capturado na sua casa, acrescentaram as fontes, sem dar mais detalhes. As autoridades israelenses não confirmaram a prisão. Horas antes, a mulher de Eddin al-Shaer havia dito que soldados israelenses entraram em sua casa mas foram embora ao ver que ele não estava lá. O Exército deteve nesta madrugada vários ministros da Autoridade Nacional Palestina (ANP), todos filiados ao movimento islâmico Hamas, e 20 deputados. Segundo fontes do governo e das Forças Armadas de Israel, os detidos são "suspeitos de atividades terroristas".As detenções aconteceram nas cidades de Ramallah, Hebron, Jenin, Kalkilia e Jerusalém Oriental. O ministro do Interior de Israel, Ronie Bar-On, disse que os membros do Hamas detidos serão investigados. Caso haja suspeitas de vinculação com atividades terroristas, serão julgados. "A mão de Israel vai chegar a Ismail Haniye", afirmou Bar-On à rádio pública israelense, referindo-se ao primeiro-ministro da ANP.A crise se agravou na madrugada de hoje (horário local) com o anúncio de militantes palestinos dos Comitês de Resistência Popular de que executaram o colono judeu Eliahu Asheri, de 18 anos (que havia sido seqüestrado na Cisjordânia), em retaliação pela invasão israelense em Gaza. O corpo foi encontrado enterrado perto de Ramallah. Extremistas dizem ter em seu poder outro israelense, um homem 62 anos, não identificado, que está desaparecido.Israel explica detenções O Ministério de Relações Exteriores de Israel divulgou nesta quinta uma nota oficial para explicar que as detenções de líderes do Hamas, na madrugada, na Cisjordânia ocupada, se deve a "suspeitas de que os detidos estão envolvidos em atividades ilegais".O comunicado acusa o governo do primeiro-ministro Ismail Haniye, do Movimento Islâmico Hamas, de praticar "uma política de governo terrorista", considerando "os eventos dos últimos dias", em referência ao seqüestro do soldado israelense Guilad Shalit, capturado no domingo por milicianos palestinos numa base militar ao sul de Gaza.As Brigadas de Izz al-Din al-Qassam, braço armado do Hamas, assumiram a autoria do ataque, ao lado de outros grupos. Israel lançou na quarta-feira a operação militar Chuvas de Verão para procurar o soldado.I

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.