Israel propõe construções em áreas da Cisjordânia

Para evitar o colapso das negociações de paz e uma revolta de sua base aliada, o premiê de Israel, Binyamin Netanyahu, desengavetou uma proposta de seu antecessor, Ehud Olmert, para permitir construções nos três principais assentamentos na Cisjordânia - cuja anexação ao território israelense o governo considera certa. A informação foi revelada ontem pelo jornal israelense Haaretz.

AE, Agência Estado

14 de setembro de 2010 | 07h35

O anúncio seria feito hoje em Sharm el-Sheikh (Egito), no segundo encontro entre o líder israelense e o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas. Os dois já se reuniram nos Estados Unidos, há duas semanas, para iniciar o chamado "diálogo direto".

Os palestinos ameaçam deixar a mesa de negociação caso Israel não concorde em prorrogar o congelamento total na expansão de assentamentos. Em dezembro, Netanyahu declarou uma moratória de dez meses nas construções israelenses na Cisjordânia - prazo que oficialmente expira no dia 26.

Temendo um agravamento da crise, o Departamento de Estados dos EUA, que serve de mediadores das conversas de paz, decidiu cancelar eventos ligados à imprensa depois do encontro de hoje. Netanyahu, Abbas e a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, devem apenas posar para fotos.

Reunião

Após a reunião no Egito, Hillary embarca para Jerusalém para voltar a se reunir com Netanyahu e outras autoridades israelenses, amanhã. No dia seguinte, a secretária de Estado tem encontro com Abbas e o premiê palestino, Salam Fayyad, em Ramallah. A viagem de Hillary a Israel e Cisjordânia depois da cúpula no Egito busca convencer os dois lados a permanecer nas negociações, mesmo se nenhum compromisso real for alcançado no diálogo de hoje. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.