Israel quer maior pressão sobre Irã para acordo nuclear

Jerusalém, 17 (AE)- A contínua pressão sobre o Irã por seu questionado programa nuclear pode fazer com que as potências mundiais obtenham um acordo melhor, disse o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, neste domingo, antes de receber a visita do presidente francês, Francois Hollande.

Agência Estado

17 de novembro de 2013 | 10h30

Netanyahu expressou irritação sobre um possível acordo entre o Irã e as seis potências mundiais, incluindo a França, que poderia aliviar algumas sanções, deixando a república islâmica com sua capacidade de enriquecimento de urânio. Ele repetidamente referiu-se ao potencial acordo como um "mau negócio".

O primeiro ministro israelense disse que o Irã será o foco principal de suas conversas com Hollande, que tinha chegada a Jerusalém prevista para este domingo, para uma viagem de três dias. Netanyahu também pretende discutir o assunto quando se reunir com o presidente russo, Vladimir Putin, em Moscou, na quarta-feira. Possivelmente, o tema também será abordado com o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, que tem viagem a Jerusalém programada para sexta-feira.

"Espero que possamos ser capazes de convencer os nossos amigos esta semana ... para chegar a um acordo muito melhor, e é possível obter isso porque o Irã está sob pressão econômica e com a continuidade dessa pressão - e até mesmo o aumento disso - pode-se chegar a um resultado muito melhor de uma solução diplomática pacífica", disse Netanyahu.

Israel vê um Irã com armas nucleares como uma ameaça à sua própria existência, citando reiterados apelos do Irã para a destruição do Estado judeu, o programa de mísseis de longo alcance do Irã e seu apoio a grupos violentos anti-Israel, como o Hezbollah no Líbano.

Embora o Irã esteja "no topo da agenda" de discussões com Hollande, as conversas também irão abranger as negociações com os palestinos. Durante esta semana, Hollande também deve se encontrar com o presidente palestino, Mahmoud Abbaslater.

Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
ISRAELIRÃ

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.