Israel reavalia expansão de colônias judaicas

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, pediu a seu ministro de Habitação, Ari Uriel, que reconsidere um projeto que prevê a construção de 20 mil novas habitações em colônias judaicas na Palestina ocupada.

AE, Agência Estado

12 de novembro de 2013 | 22h01

Por meio de nota divulgada por sua assessoria de imprensa, Netanyahu argumenta que o plano "não traria nenhuma contribuição" para os assentamentos em questão e enfraqueceria a posição de Israel.

Ainda segundo a nota, Netanyahu considera que o anúncio provoca "conflito desnecessário" com a comunidade internacional em um momento no qual Israel tenta convencê-la a aumentar a pressão sobre o Irã.

O comunicado vem à tona horas depois de a organização não-governamental (ONG) Peace Now ter denunciado que o governo de Israel havia aberto uma licitação para a construção de 20 mil habitações para colonos judeus na Cisjordânia ocupada.

Yariv Oppenheimer, diretor da ONG israelense contrária aos assentamentos, fez a afirmação em entrevista à rádio pública do país.

Trata-se da maior licitação de habitações em assentamentos judaicos desde a retomada das negociações de paz entre israelenses e palestinos. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.