Israel reconhece direito de gays; rabino prevê o dilúvio

O procurador-geral de Israel, Meni Mazuz, concedeu o reconhecimento legal a casais formados por pessoas do mesmo sexo em matérias de negócios e finanças, informa seu gabinete, por meio de um comunicado. O anúncio causou a ira de alguns grupos de judeus ultraortodoxos, que consideram a decisão um sacrilégio. Mazuz disse que os casais gays deverão ter o mesmo tratamento legal que os heterossexuais e deverão ser reconhecidos como uma unidade legal para questões de impostos, habitação e finanças.O procurador-geral tomou sua decisão ao se recusar a apelar contra decisão de uma corte distrital que reconhecera o direito à herança entre homossexuais. Segundo o comunicado, Mazuz, no entanto, diferenciou entre reconhecer uniões de pessoas do mesmo sexo para matérias práticas e financeiras, como o fez, e uma mudança na lei para sancionar oficialmente tais uniões, o que seria uma questão para ser tratada no Parlamento.David Batzri, um proeminente rabino israelense, condenou a decisão, afirmando que o apoio dado pelo promotor aos homossexuais causará a vingança de Deus e possivelmente um outro dilúvio (bíblico) em Israel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.