Baz Ratner/Reuters
Baz Ratner/Reuters

Israel relembra vítimas do Holocausto com medo do Irã

Durante dois minutos israelenses param o que estavam fazendo para escutar sirene

AE-AP, Agência Estado

12 de abril de 2010 | 10h23

JERUSALÉM - O barulho das sirenes ecoou nesta segunda-feira, 12, por Israel, paralisando as atividades no país, para recordar o Holocausto nazista, que matou até seis milhões de judeus na época da Segunda Guerra. A data anual israelense lembra as vítimas do massacre, em um momento em que a nação teme a suposta ameaça nuclear do Irã. Israelenses afirmam ter medo de que o mundo demore para reagir ao Irã e a seu programa nuclear, como demorou diante da ameaça de Adolf Hitler no século passado.

As ondas de rádio tocaram músicas melancólicas, trazendo relatos de sobreviventes do Holocausto. Durante os dois minutos em que a sirene soou - um ritual anual em Israel -, os motoristas desligaram seus veículos e as pessoas pararam para marcar, de pé, o fato.

A capa do jornal Yediot Ahronot publicou uma fotografia em preto e branco de um polonês judeu com barba, envolto em um manto para orações, enquanto estava de joelhos com os punhos levantados diante de soldados nazistas antes de ser executado. O homem era o avô materno de Meir Dagan, chefe da agência de espionagem Mossad. Dagan disse ao diário que vê as fotos todos os dias e promete "que algo assim não voltará a acontecer".

Após 65 anos do fim da Segunda Guerra (1939-45), há 207 mil sobreviventes do Holocausto, muitos indigentes e sós, vivendo em Israel. Nos últimos dois anos, morreram 63 mil sobreviventes da tragédia no país.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelHolocaustohomenagemIrãnuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.