Israel responsabiliza Síria por duplo atentado suicida

Israel considera a Síria responsável pelo atentado suicida duplo contra dois ônibus que foi reivindicado pelo Hamas e causou a morte de 18 pessoas (incluindo os dois extremistas), disse um funcionário do governo israelense, deixando implícita a possibilidade de retaliação. Em uma primeira resposta, forças israelenses demoliram a casa da família de um dos militantes suicidas de ontem e isolaram a cidade de Hebron, na Cisjordânia, onde moravam os dois terroristas."O fato de o Hamas estar operando na Síria não traz imunidade" ao grupo islâmico, disse Raanan Gissin, conselheiro do primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, em entrevista à Associated Press. O suspeito de ser o principal líder do Hamas, Khaled Mashaal, e seus principais assessores moram na Síria. No início do ano, Israel assassinou o líder espiritual do Hamas, xeque Ahmed Yassin, e seu sucessor, o dirigente político Abdel Aziz Rantisi. O tenente-general Moshe Yaalon, comandante do Estado-Maior das forças armadas de Israel, comentou hoje que "aqueles que apóiam o terrorismo não podem dormir tranqüilos à noite", numa aparente menção a líderes palestinos, aos guerrilheiros libaneses do Hezbollah e aos governos de Síria e Irã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.