AFP PHOTO / Ahmad GHARABLI
AFP PHOTO / Ahmad GHARABLI

Israel retira dispositivos de segurança do acesso à Esplanada das Mesquitas

Instalação de cercas de metal, estruturas para câmeras e detectores de metal haviam desencadeado episódios de violência nas últimas semanas; palestinos voltaram a rezar na Mesquita de Al-Aqsa

O Estado de S.Paulo

27 Julho 2017 | 04h59

JERUSALÉM - Israel retirou na madrugada desta quinta-feira, 27, todos os dispositivos de segurança das imediações da Esplanada das Mesquitas, que causaram episódios de violência nas últimas duas semanas. Os palestinos que estão nas proximidades celebraram a medida, informou rádio israelense Kan.

As cercas de metal e estruturas para câmeras foram desmontadas e os detectores de metal foram removidos. Eles faziam parte da lista de exigências feitas pelas autoridades muçulmanas que administram o local à polícia israelense, segundo o jornal The Times of Israel.

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, se reunirá nesta quinta-feira com os membros do seu gabinete para falar sobre os últimos acontecimentos.

Os palestinos voltaram a rezar na Mesquita de Al-Aqsa, na Esplanada das Mesquitas de Jerusalém, segundo uma autoridade religiosa muçulmana. "As autoridades religiosas muçulmanas em Jerusalém fazem um apelo aos palestinos para que entrem em Al-Aqsa para fazer a oração da tarde", declarou um membro do Waqf, organismo encarregado dos bens muçulmanos em Jerusalém, em um entrevista coletiva.

"As orações vão acontecer, com a ajuda de Deus, dentro da mesquita de Al-Aqsa", disse Abbas em entrevista coletiva, após as autoridades muçulmanas anunciarem o fim de um boicote de quase duas semanas.

O governo jordaniano também celebrou a decisão israelense de retirar seus dispositivos de segurança. "O recuo das autoridades israelenses em relação às suas medidas (sobre a Esplanada das Mesquitas) é uma etapa essencial no sentido do apaziguamento da situação", declarou o ministro da Informação e porta-voz do governo, Mohamed Momani.

Em resposta ao ataque do dia 14, quando três israelenses saíram do complexo de Al-Aqsa armados e mataram dois policiais em uma das entradas para a Cidade Velha de Jerusalém, Israel instalou medidas de segurança nos acessos à Esplanada das Mesquitas.

A determinação foi considerada pelos muçulmanos uma violação do status quo do seu terceiro lugar mais sagrado e provocou protestos e confrontos em Jerusalém e na Cisjordânia, onde morreram quatro adolescentes palestinos. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.