Israel suspende aprovação de assentamentos, diz ONG

Israel suspendeu de maneira discreta a aprovação da construção de novos projetos em assentamentos na Cisjordânia, embora em público o governo continue a rechaçar os pedidos dos Estados Unidos para uma suspensão oficial, disseram hoje funcionários do governo israelense e ativistas pela paz. O escritório do primeiro-ministro do Israel, Benjamin Netanyahu, negou que exista um acordo entre os ministros para suspender as construções. Mas a organização não-governamental (ONG) Paz Agora informou que nenhuma construção de novo edifício foi aprovada desde que Netanyahu tomou posse, em março deste ano.

AE-AP, Agencia Estado

18 de agosto de 2009 | 16h51

A administração do presidente norte-americano, Barack Obama, exigiu que Israel suspenda a construção de novos prédios em assentamentos na Cisjordânia, terra que os palestinos reivindicam para um futuro Estado. A questão evoluiu para um raro desacordo público entre os dois aliados, os EUA e Israel. No entanto, a suspensão não está totalmente de acordo ao que os EUA pediram, porque construções aprovadas anteriormente continuam em curso.

Existem atualmente 300 mil colonos judeus na Cisjordânia, que vivem entre 2,5 milhões de palestinos. Outros 180 mil israelenses vivem em Jerusalém Leste, o setor árabe da Cidade Santa, o qual foi tomado por Israel na Guerra dos Seis Dias em 1967. Um eventual anúncio público da suspensão das construções nos assentamentos poderia abalar a coalizão governista de Israel, composta em grande parte por políticos da linha-dura.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelCisjordâniaassentamentosONG

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.